miguelbmiranda@sapo.pt

Friday, March 25, 2016

O Comandante Guélas - Série Paço de Arcos 61 - A derradeira festa do Cavaleiro

Comandante Guélas

Série Paço de Arcos


O Cavaleiro preparava-se para dar mais uma festa grandiosa e insistia em não convidar os adeptos do Comandante Guélas. Mas como era tradição, o Gang já sabia e aprontava-se para mais uma noite bem passada. A casa estava dentro de uma quinta, situava-se no topo e pelo meio morava o Zé Preto. E nessa noite o Botelho iria levar o primo, tendo como obrigação protegê-lo de todos os perigos. Foi por isso que o Mac Macléu quando lhe deu boleia, na sua Zundapp, pôs o petiz no meio, para não cair. Eram nove e meia da noite quando o G.M.R.C.P.A. se apresentou à porta da casa onde se ia desenrolar o evento. Desta vez foram recebidos por cinco seguranças adolescentes, todos vestidos de preto, incluindo luvas, e com um ar muito mau.
- Só entra quem foi convidado, – informaram, com vozes de trovãozinhos, os terríveis seguranças imberbes.
O Charlot rosnou, mas não o deixaram avançar. Foi o Pilas. Mas depressa o convenceram de que esses não eram os métodos adequados à situação. De todas as outras vezes tinham conseguido entrar, sem usarem a violência, que fazia parte do espírito do “Guélanismo”. Pediram para falar com a mãe do Cavaleiro. Tinham de esperar! Lembraram-se da primeira festa das suas vidas, no Alto de Paço de Arcos, e de terem dado de caras com o Graise à porta, agarrado à sua primeira namorada, a miúda mais feia da Costa do Estoril, um cágado com bigode:
- Esta festa é só para orientados, – disse apertando a anã.
A frase ficou para sempre na memória de todos os paço-arcoenses pertencentes ao Gang dos Meninos Ricos e Caucasianos de Paço de Arcos.
A um dado momento passou um adulto pela parte de dentro da casa, que foi detectado pelos penetras:
- Tia, tia, – chamaram com uma voz doce os seguidores do Comandante Guélas.
Todos sabiam que a senhora já estava mais para lá do que para cá, devido aos efeitos do sumo de cevada, e ao tamanho do decote, impróprio para rapazinhos na puberdade.
- Olá, olá, – respondeu a proprietária do imóvel, tentando recordar-se do nome daquelas caras desconhecidas.
Mas a técnica era essa. Ela nunca iria dar parte fraca.
- O Zé convidou-nos, mas ele está lá em cima e os seguranças não nos querem deixar entrar, – queixou-se o Velhinho, dando um beijo à tia.
- Mas que disparate, eles podem entrar, são amigos do Zé.
Os imberbes de preto abriram alas e os membros do G.M.R.C.P.A. treparam até ao sótão. Quando passou pelo tenebroso homem de preto que chefiava a equipa, o Pilas deitou-lhe a língua de fora e o Charlot rosnou-lhe aos ouvidos. Lá em cima a festa estava animada e bem organizada. Dançava-se num lado e compravam-se bebidas no outro. Compravam-se?!! Sim “compravam-se”, passado! O proprietário ausentara-se devido a uma necessidade fisiológica e, entre amigos, não havia necessidade de fechar o estabelecimento comercial. Mas por alguma razão o G.M.R.C.P.A. não tinha sido, mais uma vez, convidado e, mais uma vez, entrara. E o João Sá, mais uma vez, prontificou-se a tomar conta da ocorrência. Declarou “Bar Aberto”, e começou abastecer de “bejecas” o grupo de meninos ricos de Paço de Arcos. Quando o Cavaleiro chegou o Bar era do povo, a população abastecia-se de borla, amigos e inimigos. Um acontecimento destes não sucedia em todas as festas. A única solução era encerrar temporariamente para balanço, apesar de toda a gente saber que era negativo, negativíssimo! O João Sá ainda não tinha acendido o cigarro e já estava no olho da rua, encostado à porta do bar, que se fechara. Mas como era de madeira não resistiu aos dois biqueiros que levou. Abriu-se então um grande buraco na parte de baixo, que foi por onde passou a cabeça, para pedir lume ao patrão.
- Mãe, maeeeeeeeee, -gritou o Zé, descendo apressadamente as escadas, ao mesmo tempo que a turba, de amigos e inimigos, lhe invadia o Bar pela segunda, e definitiva, vez.
A mamã veio a correr, com o chefe da segurança atrás, e entrou no Salão de Dança para botar discurso. A música parou e a tia deu a entender aos sobrinhos que estava muito magoada com eles. Tinham-lhe partido a bilha toda…perdão…a porta do Bar e isso era muito feio. Como se esperava, todos negaram o acto! Mas eis que a porta se fechou, deixando-os todos trancados no Sótão.
- Abram, é uma ordem, – gritou a dona da casa.
Ninguém respondeu!
- Eu sei que está aí alguém do lado de fora. Se não abrir a porta expulso-o de minha casa.
Só se ouviram palavras obscenas que foram dirigidas à tia. Quanto à porta, continuou fechada até ser arrombada. Do outro lado não estava viva alma. Teria sido um fantasma? A festa continuou porque todos os que estavam ali eram filhos de “boas famílias” e juraram, por escrito, que não tinham feito nada. Aliás, como ficara provado, o responsável por tudo aquilo tinha sido aquele que momentos antes havia vilipendiado a tia escondendo-se, talvez por vergonha, atrás da porta. Para garantir que o que tinham prometido era cumprido, a proprietária do imóvel ordenou ao único segurança que tinha tido a coragem de a acompanhar ao reduto, porque sabia que junto a ela estava seguro, para ficar a tomar conta dos primos. Foi uma má decisão. O Pilas aproximou-se do garanhão e rosnou-lhe. Não houve qualquer tipo de reacção. Entrou então em cena, contra todas as expectativas, o irmão do Zé Pincel que queria já ali ajustar contas com aquele que horas antes lhe tinha barrado a entrada e que agora ele sabia estar em minoria. Foi barrado pelo “paçoarquiano” Peidão, o único com algum juízo, que o virou ao contrário e o deixou cair, deixando-o abananado e a cuspir fininho junto a uma janela, não fosse faltar-lhe o ar. E nesse momento os fusíveis foram, pela décima vez, propositadamente abaixo, o que levou à precipitação dos acontecimentos. O homem de negro foi selvaticamente atacado e quando a luz voltou estava prostrado no chão, a queixar-se de falta de ar e das duas dentadas que tinha recebido no peito, apesar de não haver nenhum cão por perto. Não era preciso um animal desses para haver dentadas, o Charlot estava lá, e tinha andado em roda-viva durante as trevas. A festa continuou no andar de baixo com o ferido à espera da ambulância. Após a remoção do corpo a tia deu por encerrada esta noite louca, que iria ser a última. Todos se despediram da dona da casa e o Gang de Paço de Arcos montou nos seus “peidociclos” e foram colina abaixo. Mais uma vez o priminho do Botelho foi arrumado na Zundapp do Mac-Cléu , a meio. Mas faltava cumprir a tradição! A tia tinha a decorar o jardim uma monstruosa roda de carroça que ia sempre montanha abaixo no final das festas, para que no dia seguinte o primo Cavaleiro, com a ajuda das irmãs, fosse visto a empurrar o mastodonte para o local que lhe competia, tal como o seu antepassado Sísifo. Ainda os motoqueiros não tinham atingido o meio do caminho e já a roda se cruzava com eles, tendo o Botelho apanhado o maior cagaço do mundo, por ter imaginado que ela poderia ter colidido a meio da mota. Mas o destino foi outro. Nunca mais trouxe o priminho para Paço de Arcos! A roda só parou no quarto dos caseiros, junto à cama deles, e vinda do tecto. Como as relações entre a patroa e os empregados não eram das melhores, isto deu origem a um processo em tribunal, segundo reza a lenda.

No comments: