miguelbmiranda@sapo.pt

Sunday, June 21, 2009

Camarada Choco 65 - Codex 632


 Camarada Choco
 Aventura 65 


A camisola que vestia tinha as mangas cavas, expondo às fêmeas umas peles brancas cor de Maizena, cobertas com vegetação mais apropriada às zonas baixas do corpo. Fechou os alunos na sala, aproximou-se do espelho chinês, com muitos anos de Feira Popular, e desabafou:
- Ah Silvestre Stalonas, está na altura de ires procurar a fêmea que te dará a próxima geração de anõezinhos.
Meteu sofregamente a mão nas calças e tirou uma fita-métrica do Aki. Aproximou-se de um calendário com Desaparafusados da Michellin e definiu as medidas obrigatórias da sortuda:
- …mais baixa do que eu, ou do mesmo calibre, - pôs o dedo nos 120 centímetros e continuou. – Ser obediente, ganhar menos, abaixo dos 40…
Mas algo o distraiu quando trancou a porta da sala, onde antes trabalhava e agora pouco tempo permanecia, perdido na sua incessante busca da Fêmea perdida:
- A Tareca está com a mania que é doutora, até tem um dossier e tudo, e está cheio de papéis, - lamentava-se a outro espelho a Faísca. – Só quer é reuniões.
Ao espreitar na curva do corredor, o garanhão tocou inadvertidamente num quadro e detrás dele caiu um papel.
- “Codex 632”?!!
O título estava a negrito e no canto superior direito destacava-se a vermelho a palavra “Top Secret”.
- Um documento sigiloso? Escondido atrás do quadro com a cara da Madrinha? Que interessante.
Olhou para todos os lados. O andar estava vazio, excepto a Faísca que continuava a fazer queixas ao espelho. Regressou pé ante pé ao espaço onde antes trabalhava e agora fingia que o fazia, e trancou-se.
Nomina Sunt Odiosa
Aquí el informe de los restos de la farra ocorrida en mi presencia entre el Codex 632 y el Voz de Bagazo, el 3 de junio del año de Gracia de Mi Querida Madrina, que en el futuro yo la sustituirei de acuerdo con la voluntad de Mi Madrina . Esa tarde cuando el conductor viejo ay detenido la Nau los dos acusados corrió y you fui detrás de les , ya la previsión de un farrobadó, prohibida por Su legislación, que aquí también es mía, y quiero cumplir, por escrito, si Su humor no nudar, diciendo que no dijo lo que todos escuchamos. Madrina, lo que vi fue una visión del Infierno. La Voz de Bagazo está por encima de la del Codex 632 y él trató de molde la serpiente, que ya estaba moribunda. Gracias a Dios todavía tive tiempo para ver las bolas que batiam a los demás como unas castañuelas, cada vez que corresponde a golpear en la parte superior de la serpiente, tratando en vano de poner en juego, como en las películas para adultos Noddy que no vejo por qué tapo los ojos con las manos y los dedos abiertos, como la Madrina. Señaló inmediatamente después de la ocurrencia, la hora, los minutos y los segundos, quem inmediatamente tiene la culpa, no a mí y no al delegado sindical, como aprendí de la Madrinha, a pesar de ser parte del grupo. Sálvese quien pueda. Y para no resolver la situación inmediata, como dice el bon senso, télefonei inmediatamente a la Señora para incendiar más y declarar una posible pandemia sexual. Sugiero a toma de la píldora del día siguiente para todos, incluidos los hombres, porque el azoreano ya tienne enjoos tuta las maganas y el tamaño de su vientre no es un buen pronóstico.


Su doctora también sin paja



Sunday, June 07, 2009

O Comandante Guélas - Série Paço de Arcos - Cavalos & Cavaleiros


Comandante Guélas
Série Paço de Arcos


O menino queque, mas mesmo queque, só montava a cavalo no Guincho. O Gang era constituído por meninos de uma “Geração de Oiro”, irrepetível. Mas chamar “Geração Rasca” à dos seus filhos, porque estudavam e recusavam-se a fazer cábulas, era um exagero. Numa característica os papás estavam em vantagem, eram geneticamente dotados de uma capacidade de adaptação a novas situações. E foi numa dessas alturas que a Becas entrou no café “Iolanda” e perguntou quem é que queria ir montar. Dito e feito, quatro levantaram os braços:
- Mas tu já alguma vez andaste a cavalo? – Perguntou o “Menino da Luz”, de nome Peidão, quando viu que o Xinoca estava de braço no ar.
- Eu tenho uma “Maxi Push”.
Mas havia um obstáculo a ultrapassar. O amigo da Becas, desconhecido do Gang, estava dentro do Renault 5 todo bonito, com chibata, botas de montar e cara de cu.
- Eles podem vir connosco?
O matador olhou para os quatro meninos de “boas famílias” e percebeu que, ou iriam todos, ou arriscava-se a ter de mudar um pneu. Teve bom senso. A excursão rumou para a aldeia de nome “Areias”, onde seriam alugados os animais. Quando os bichinhos foram entregues o Xinoca quase que saiu à carga, porque pensava que “Cavalo” e “Peidociclo” era tudo da mesma família, e por isso acelerou a fundo.

- Têm a certeza que o vosso amigo sabe andar de cavalo? – Perguntou o dono do picadeiro ao ver que o rapaz com cara de oriental não tinha qualquer vestígio de técnica de acompanhamento do trote, indo por isso a bater violentamente com o traseiro na sela e a enredar as rédeas nas pernas.

- Ele está habituado a montar as éguas em pêlo, - explicou o jovem Peidão, um ás na equitação.
O trombudo tomou a dianteira passando com um ar de desprezo por todos os amigos da Becas. A sorte devia-se ao facto de os cavalos estarem habituados a andar uns atrás dos outros e assim o do Xinoca teria poucas hipóteses de fugir. Atravessaram a rua e embrenharam-se nas dunas. Alguns metros mais adiante tiveram de reduzir para passo, pois era necessário poupar o rabo do chinês. Mas aconteceu o primeiro dos “previstos”, quando um ramo baixo lhes apareceu pela frente. Todos puxaram pela rédea esquerda e contornaram o arbusto, excepto o Xinoca que seguiu em frente e chocou contra o obstáculo. Passou o bicho e quase ia ficando o cavaleiro, caso não se tivesse deitado sobre a cabecinha do cavalo, folgando as rédeas e soltando os chinelos de quarto dos estribos. Ainda houve tempo para apostas, ganhando a opção “queda”. Valeu o sangue frio do trombudo que encostou a sua montada e segurou o animal. Pausa, o chinês estava mais inclinado do que a Torre de Pisa, e à medida que ia descaindo puxava as rédeas, arriscando-se a sentar o alazão no colo. Quando o líder o informou dessa hipótese, tirou as mãos e caiu na areia fofinha. Pôs-se logo ali uma dúvida: como é que ele iria montar, uma vez que não havia a escada do picadeiro? Veio-lhe à memória o paço-arcoense da Quinta Divisão e da falta que ele lhe fazia naquele momento. Caso fosse um dos presentes, manda-lo-ia agachar e ele obedeceria. Depois bastaria saltar-lhe para a espinha e montar. Mas a realidade era outra! O Xinoca teria de se desenrascar, nenhum dos presentes queria fazer de militar de Abril. Foi o que fez, meteu o bichano na parte baixa de uma duna e saltou-lhe para cima. Como o tempo já estava a escassear, foi necessário recorrer ao galope, porque senão nunca chegariam à Praia Grande. Ao chegarem ao Guincho cada um escolheu o seu ritmo e, de uma maneira geral, a carga foi a velocidade que imperou. Quanto ao Xinoca, optou por parar, largar o volante, enrolar um cigarrinho, ao mesmo tempo que dava folga ao rabo. Só que este tipo de cenas não eram as mais aconselháveis no momento, porque o animal cheirou o chão deitou-se de imediato, atirando o adolescente com cara de oriental de pantanas, tendo no entanto ainda conseguido dar a última “passa” antes de aterrar. O trombudo, que estava na outra ponta da praia, nem queria acreditar no que via. O cavalo do Xinoca parecia um cão a coçar-se no chão e quando a festa acabasse de certeza que iria a Cascais tomar um copo. E quem tinha deixado o Bilhete de Identidade, aliás o único a leva-lo, tinha sido ele, como prova que eram todos “meninos de boas famílias”. E o seu Renault 5 não valia nem metade de um burro sarnento, quanto mais um cavalo inteiro. Ficaria de certeza a lavar cavalariças o resto do ano e estragaria as suas botinhas com brilhantina. Meteu “prego a fundo” e conseguiu chegar a tempo. Quanto ao Xinoca, queria era regressar a pé, alegando já ter o traseiro em chamas e não querer ser confundido com algum revolucionário tresmalhado. Conseguiram convence-lo a dormir nessa noite de barriga para baixo, para que as marcas no mealheiro desaparecessem.