miguelbmiranda@sapo.pt

Friday, December 25, 2009

O Comandante Guélas - Série Paço de Arcos 19 - Queques com cheiro a merda





Comandante Guélas

Série Paço de Arcos

A excursão tinha como destino, para variar, a Estalagem do Farol, mas desta vez com uma variante, Litopol. Tudo iria depender do comportamento do Max. Mais uma vez não teve o bom senso de deixar entrar aqueles meninos de “boas famílias” paço-arcoenses. Fez mal, muito mal. Transformar alcoólicos…perdão…acólitos, em diabinhos não era muito aconselhável. Com o acesso ao espaço de dança barrado, tiveram de ficar pelo bar, que estava cheio de queques que debitavam “você” a torto e a direito. O Pontas e o Peidão não queriam, mas a culpa foi toda do Max. Entraram na casa de banho individual, um abriu o saco com o pó de nome Litopol e o outro despejou o Ácido Muriático. Como de costume o conteúdo começou em efervescência, o saco foi colocado atrás da retrete e o duo saiu calmamente. Sabiam que o efeito só começava a sentir-se cinco minutos depois. Sentaram-se junto ao Rodrigues, o dono de tudo. Ainda tiveram tempo de ver o Espiga e o C. Gomesl, meninos do Coro de Santo Amaro de Oeiras, a entrar no bar, super-queques e à procura de uma mesa. Mas tudo se precipitou como o habitual. Um cheiro a merda repentino abateu-se sobre o espaço e todos olhavam com preocupação uns para os outros. Ninguém ousou levantar-se pois tornava-se de imediato suspeito. E ter fama de bufar-se como um elefante não caia nada bem naqueles queques de Cascais. O cheiro crescia e o C. Gomes olhava para todos os lados com um ar indignado. Até que não aguentou mais o cheiro a queque e a merda misturados:
- Peidaram-se, algum de vocês peidou-se à grande e à francesa, - e olhou de cima para baixo para os meninos e meninas de bem. - Seus porcos, vocês andam a comer feijões e favas o dia todo.
- Quem deu este peido com toda a certeza que deixou molho e está colado à cadeira,, é por isso que não se levanta, - reforçou o Espiga.
A debandada foi geral, a sala ficou vazia num instante, o Litopol fazia jus à sua tradição. O Max já tinha sentido o cheiro e tentava disfarçar com “Haze” que foi substituído por “Xeltox” quando o outro acabou. A mistura tornou-se irrespirável, o Pontas teve de mostrar solidariedade ao Rodrigues:
- Selvagens, são uns selvagens, - revelando uma promissora carreira política.
- Isto é inadmissível, mas eu já seu quem eles são, - disse-lhe o astuto Rodrigues.
- Sabe?
- Eram aqueles que estavam ali em pé a caluniar os meus clientes. O cheiro só apareceu quando eles entraram.
- No hotel do meu pai eram tomadas medidas drásticas, - disse o Pontas.
- Hotel?
Então o Pontas contou-lhe ser filho do proprietário de quase todos os hotéis de cinco estrelas da capital, incluindo a típica "Pensão Moreira", e à conta desta fábula tornou-se convidado Vip do Rodrigues, com bar aberto em todos os recantos da Estalagem. A partir daqui passaria a ter direito a continência do Max, que lhe abriria a Porta para ele não sujar as mãos e a mesa reservada junto à janela panorâmica, para assim poder abri-la e facultar acesso aos seu gang de caucasianos de boas famílias. Ainda houve tempo para ver um casal de gringos a chegar à estalagem cheio de malas e a fugir em pânico quando se aperceberam do cheiro estonteante a merda, no mesmo táxi.




Saturday, December 12, 2009

O Comandante Guélas - Série Educação 2 - Os "Bocas de Palhaço"





                        Comandante Guélas
                                         Série Educação
 
Na Taberna da Milú - II
A insistência fundamentalista da importância dos números no futuro, coloca muitos assuntos nas margens da escola, que praticamente não os vê, a não ser a certas horas mortas. E quando os encontramos temos agradáveis surpresas. Faltavam cinco minutos de um último tempo lectivo de uma tarde de Inverno. A Sara estava encostada à rede, num sítio onde a luz do projector tinha dificuldade em chegar. Chorava baixinho porque estava com medo.
- Medo? – Perguntou-lhe o Stor Miguel.
Medo do que o Trinca-Espinhas, uma raridade num mundo de gordos, lhe contara debaixo duma das tabelas de basquetebol.
- É por causa do “Gang dos Palhaços”, - respondeu com timidez.
O Stor teve um “Flash Back”. O dia que agora chegava ao fim fora pródigo em acontecimentos. O colega Jorge tinha sido confrontado, pela primeira vez, com uma “travadinha” do seu aluno monga, que incluíra babas, bufas, mijas e ruídos do além, que o obrigaram a dar colinho fofinho a um africano com cheiro a tudo o que as moscas mais gostavam, e de quem os colegas fugiam. Era a estranha política desta “inclusão” que não apresentava uma ideia, um desígnio, uma estratégia, uma ambição, uma esperança. Quando a colega da equipa especial chegou, com o “SOS” na mão, um tubo para enfiar directamente no buraco do olho caso o abanão ultrapasse o tempo de validade, o Peixe Espada Preto já tinha retomado os estudos e o stor Jorge tentava livrar-se de alguma da baba pegajosa e enxotava as moscas que agora também não o largavam.
- Anda um gajo a dar aulas para isto, - desabafou.
No dia anterior, também já lá para o fim, o stor Miguel, depois de uma observação rápida à turma de “currículos alternativos” do colega Rui descobrira que a todos aqueles alunos escolhidos a dedo faltavam carradas de neurónios, e havia uns que desconfiava terem só areia, mas para isso teria de lhes fazer um furo na cabaça. Ficava-se pelos comportamentos, como girar os olhos compulsivamente, lamber o chão com apetite, estar sentado sem qualquer movimento, ou seja, características que numa Cerci os recambiavam para a sala dos “quiabos”, com apoio extra de todos os técnicos disponíveis, e com passagem obrigatória pela sala de Snoezelen. Mas voltemos ao assunto dos palhaços. Como a Sara insistia no perigoso gang, o Trinca-Espinhas foi convocado e confirmou a história, um amigo, de uma amiga, da vizinha, prima de uma tia tinha sido vítima destes perigosos colegas do Batatoon, e ele pedira satisfações à familiar, que lhe confirmara a tragédia. E disto isto desatou a chorar, fazendo com que o stor abanasse os ombros:
- E os meus mongas é que são os malucos! – Desabafou desaparecendo na escuridão.
O dia tinha sido pesado, até o chefe com tendências centrípetas tinha tido uma convulsão no início da reunião, quando anteviu, estilo “2012”, uma catástrofe para a zona:
- O que vai ser desta escola quando eu sair?
Esta visão talmúdica do mundo contrastava com os pensamentos dos presentes que, caso tivessem sido tornados públicos, mostrariam uma “Mega Festa”, tão ao gosto do chefe, mas desta vez não com carácter de frete, mas sim como manifestação de um desejo colectivo já há muito prometido, mas ainda não concretizado. O dia findou com a resolução de um mistério que andava a tornar-se um caso obsessivo para a menina Rosa: tinha sido apanhado em flagrante um dos membros do Gang dos Mijões, que insistiam em mijar contra a parede dos chuveiros, em vez verterem águas na retrete. O stor Miguel sugerira substituir o cheiro por lixívia da pura e dura, para lhes apagar o rasto, mas fora informado de que a ASAE proibira tal produto no recinto escolar. Enfim, modernísses.

Thursday, December 03, 2009

Camarada Choco 66 - “Levanta-te e Anda”




Camarada Choco
Aventura 66

Esta é a estória que nunca vos contei porque a ligação entre a memória onde estava guardada e o exterior, esteve durante muitos anos bloqueada, como uma espinha na garganta, sinal de que a minha tola por vezes pensa direito, mas por sinapses tortas. E tudo isto devido à conjugação de dois acontecimentos raríssimos, tal como o meu síndrome: o regresso do meu Padrinho e o retrocesso, do também meu, conteúdo encefálico micro. Vamos por partes. A Lurdes, uma ministra raríssima, trouxe consigo uma ainda maior raridade, o Valter, que nem para colega nós queríamos, e passaram para lei uma verborreia avassaladora e demagógica, que prometia a nossa ida para a escola dita regular e um canudo de “engenheiro” alguns meses depois, tal como o outro. E devido a isto o meu Padrinho acabou enrolado, como os surfistas nas ondas, e teve de nos abandonar abruptamente, a frio. Ficámos órfãos, entregues à nossa sorte, ninguém do ministério nos quis continuar a treinar. Mas eu sabia que o meu herói não nos iria abandonar. Telefonou, escreveu, refilou, massacrou, ameaçou, até que as tias, antevendo irem ter um ano letivo pior que o da Lurdes, enviaram-no de regresso, sem remetente. A chegada do meu Padrinho coincidiu com mais um retrocesso da minha tola. E o milagre aconteceu! Antes que tudo se apague com uma “santinha”, resolvi partilhar mais esta aventura. O herói dá pelo nome de Tarzoon, apesar de ser macho, é um bronzeado compulsivo, e quando chegou à nossa querida casinha, vindo diretamente de um dos muitos condomínios fechados africanos da Amadora , trazia preso ao cagueiro uma cadeira de rodas do fim da monarquia. Ainda tinha passado pelo Centro das Tias junto a Alvalade, mas mal se aperceberam que o sagui de tenra idade iria transformar-se num gorilão com mau aspeto e cheiro a catinga permanente, capaz de denegrir a imagem impoluta daquela instituição para mongas caucasianos com futuro e responsáveis por muitos tachos, depressa arranjaram um motivo para o pôr a milhas dali. E o local para casos raros que davam muito trabalho, era sempre o mesmo, a nossa querida escolinha. Uma semana após a chegada do Tarzoon, entalado numa cadeira de rodas, estilo sardinhas em conserva, apareceu uma equipa de tias para impressionar o meu Padrinho e a Chefe Bélinha, e assim lavarem as mãos como Pilatos. Depois de muitas palmadas técnicas, abanões pedagógicos e medições futuristas veio o veredito estilo Professor Karamba:
- O Tarzoon nunca irá andar.

Dito isto arrumaram a tralha, depois de se aperceberem que já estava na hora do almoço, razão principal para a visita de cortesia, e fugiram dali como o Diabo da Cruz, não fossem ficar impregnadas com o cheiro de babas e borras, não sem antes prometerem ir enviando na volta do correio o material indispensável ao desenvolvimento harmonioso do Tarzoon. Como já era tradição tudo chegaria fora de horas, a forma já não era para aquela perna, só serviria para fazer tortas de laranja, e o meu Padrinho, que já sabia disso, não perdia tempo com ninharias, optando sempre por improvisar e adaptar, tudo em benefício do Tarzoon que lá ia crescendo e evoluindo a olhos vistos. Todos os Aparafusados participavam, o atleta parecia ser de alta competição: arrastava-se pelos corredores, mergulhava no tanque e na piscina, andava nos cavalos das tias de Cascais, acelerava numa bicicleta construída pelo Stor Pobre e pelo Castanheira, com peças encontradas num ferro velho, que encheram o corpinho do Tarzoon com milhares de quilómetros, percorridos nos corredores da nossa querida escola, preso ao bólide com fita de embrulho, muito mais segura do que as faixas, utilizando os curtos movimentos que fazia. O Tarzoon mais parecia que estava nas tropas especiais, como os Comandos seus vizinhos.
-Hás-de andar, a bem ou a mal, - prometia-lhe o meu Padrinho, que também era dele, ou melhor, de nós todos. – As p… das tias não hão-de ficar a rir-se. Ficam só com os mongas brancos de boas famílias que não lhes dão trabalho e ajudam na estatística do Centro, que à conta disso ganha os subsídios todos e mais alguns, permitindo assim manter a quota de tachos e mordomias.
Para o Stor Pobre e todos os outros era uma questão de orgulho, a sua escola que recebia sempre o lixo das tias, iria ser pioneira na reciclagem. E o milagre aconteceu, não se sabe se por obra do meu Padrinho ou pela breve passagem de um homem barbudo com uma túnica branca: o Tarzoon um dia levantou-se e nunca mais parou. Passa agora todos os dias por mim, sorridente e com um speed proporcional ao seu andar balanceado, já próximo da idade adulta. E como a lei da Lurdes se mantem, nunca mais os futuros Tarzoons tirarão o cu das cadeiras, porque na outra escola só interessa o Português e a Matemática. Continuarão a ser lixo!