miguelbmiranda@sapo.pt

Wednesday, March 23, 2016

O Comandante Guélas - Série Paço de Arcos 60 - Pó para Todos

Comandante Guélas

Série Paço de Arcos

Quando os cafés encerravam a actividade tornava-se febril. O Gang dos Meninos Ricos e Caucasianos de Paço de Arcos funcionava por sazonalidades e uma delas consistia em valorizar a região e colocar a Costa do Estoril na rota dos grandes destinos de férias de qualidade. Entretenimento também era cultura e neste aspecto o grupo era muito criativo. A operação “Pó para todos” teve início no pólo cultural da moda, a Estalagem do Farol, e mais uma vez graças ao Max (o porteiro), que barrou a entrada ao Gang, junto a um extintor. Enquanto se esgrimiam as vantagens e desvantagens de permitir a entrada de 25 gandulos, de boas famílias, na discoteca, parte deles desmontou o garrafão de “Pó ABC” e todos juntos saíram do espaço de diversão com o extintor ao colo e a cantar os “parabéns a você”. O aplauso foi geral, do Max que conseguiu ver-se livre daquelas melgas que lhe infernizavam a vida e do Rodrigues (o dono) que estava na fase sentimental da bebedeira:
- Vê-se mesmo que são filhos de boas famílias, tão ordeiros, - disse, limpando uma lágrima ao canto do olho. – Levam o aniversariante ao colo.
Mal ele sabia que o amigo era um extintor de 10Kg, e não tinha por nome Peidão, porque o agente propulsor da botija era o nitrogénio, enquanto que este andava a metano. O Pacheco levou seis no carro e do lugar do morto era quem levava o brinquedo. O primeiro aviso foi dado logo ao sair do parque:

BROOM

E ficou uma nuvem branca na noite escura. Estava operacional, mesmo caducado. Contra todas as probabilidades, visto ser uma raridade na Costa do Estoril, habitat de queques, o carro parou junto a um par de pretos, que se aproximaram todos solícitos quando o Pilas os chamou delicadamente, tratando-os por “patrão”:
- Ó preto, queres ficar branco?

BROOOOOOOOOOOOOOOOOOM

A nuvem que se formou parecia um cogumelo, mas por estranho que pareça os clientes não saíram de dentro dela, tendo-se limitado a sacudir o pó, à procura de ar. Enfim, maneiras diferentes de reagir perante imprevistos. A próxima paragem foi em Oeiras, junto à taberna que era paredes-meias com a esquadra da polícia. Mais tarde este local de venda de meio-gordo branco modernizou-se e tornou-se numa agência bancária, cujos funcionários trocaram os aventais com desenhos de pipas por fatos com gravata, mas a qualidade de atendimento diminuiu grandemente, assim como o número de clientes. O Pilas carregou no gatilho e só o largou muitos minutos depois, quando o pó acabou. Ninguém reagiu. Uma nuvem branca saia em fúria do estabelecimento, mas da Associação dos Amigos do Tintól não havia viva alma. Só dez minutos depois é que saiu um cliente a cambalear. Mas foi só 1! O que é que terá acontecido aos restantes sócios? Ficou tudo no segredo dos deuses porque o “Correio da Manhã” ainda não passava de uma intenção.



No comments: