miguelbmiranda@sapo.pt

Sunday, March 20, 2016

O Comandante Guélas - Série Paço de Arcos 58 - Férias de Verão na Casa do General

Comandante Guélas
Série Paço de Arcos


Férias a sério, só no Algarve. E ainda por cima os manos Abrantes tinham trazido da Bélgica o amigo Fánoir, uma espécie de leitão com olhos azuis. Segundo o Marreco, este Bajoulo de Bruxelas trazia conhecimentos aprofundados de artes marciais, mas o que primeiro deu nas vistas, neste caso nos olfactos, foi o seu cheiro dos pés, que deixava a léguas o cholé do nosso Conan Vargas, em cuja biografia já constava a evacuação da rua da sua casa de férias de Monte Gordo. Mas deixemos estes pormenores para mais tarde, porque primeiro tinha de se escolher o local do acampamento. A autorização para assentar arraiais foi dada pelo General, o papá do querido e muito estimado Bajoulo e do mano, que dizia ser o maior cobridor de Portugal e dos Algarves, principalmente no Verão, quando rumava a Sul na sua potente e invejada Honda-50. As turistas faziam fila para sentir o bafo deste garanhão com cara de papagaio. A guia de marcha mencionava que o terreno em redor da habitação da casa de praia dos pais do Bajoulo estava à disposição destes “meninos de boas famílias”. A CP foi o meio de transporte para estes turistas do Gang de Meninos Ricos e Caucasianos de Paço de Arcos (G.M.R.C.P.A), assim como as suas tralhas, incluindo as motas, indispensáveis para todas as visitas de cortesia, essenciais para a sobrevivência desta rapaziada amiga do ambiente. A chegada ao local do acampamento despertou a aldeia do seu torpor habitual. Aliás o Graise, também conhecido por Sousa, deu nas vistas com um fabuloso flato, que parecia mais um foguete a anunciar a procissão da Senhora lá do sítio . A primeira noite foi passada em cima de um chão duro e pedregoso, seguido de um incêndio às 4 da manhã, que obrigou a aldeia a trabalhar, para não serem incomodados e calcinados os amigos dos filhos do senhor General. O despertar foi dado por um galo que estava em cima do Cocciolo, que resolvera dormir ao relento em cima de uma cama estilo “burro”. A senhora Maria, vizinha já de uma certa idade, teve pena das condições miseráveis em que tinham passado a noite estes “meninos de boas famílias”, e resolveu abrir uma excepção, à revelia dos patrões e emprestar a chave de acesso ao alpendre fechado. Assim, estes anjinhos ficariam um pouco melhor, protegidos das agruras do tempo. Mas no alpendre havia outra porta, a de acesso ao interior, e era fraquinha. Bastou um chuto do João Sá e a fechadura cedeu. Estavam agora na sala a arrumar as tralhas, incluindo as motas, que também não se podiam constipar. Os primeiros tomaram de assalto os três quartos e os restantes distribuíram-se pelos vários cantos da casa de férias do General. Quando saíram para a praia a fechadura já estava no local de origem e a porta novamente operacional, mas desta vez só fechada no trinco.
Mal o grupo de amigos, oriundos das mais nobres famílias de Paço de Arcos, pôs o pé na areia, já o Pilas tinha alugado um barco a remos, com motor. Tudo foi feito dentro da Lei até dobrarem a esquina, ponto a partir do qual os remos foram substituídos pelo motor, apesar de não fazer parte do contrato. Depois de muitos “ss”, piões e outros malabarismos, a falange do G.M.R.C.P.A. regressou ao ponto de partida…novamente a remos. Mas o dono da embarcação também tinha a escola toda e era sócio do Gang dos Pescadores da Praia da Luz (G.P.P.L.), e como tal tinha acompanhado o movimento da sua embarcação, pela falésia. Após o desembarque dos soldados do Comandante Guélas apresentou a conta da “viagem a motor com remos”. Já tinha ganho o dia à pala daqueles rapazinhos imberbes, pensou. Mas pensou mal! Do alto da falésia vira o rasto de espuma, que o uso de remos nunca conseguiria fazer (excepto se fosse o Conan Vargas ao comando do paquete), mas não as várias mijas que tinham sido feitas directamente para o depósito, tendo em vista compensar o consumo clandestino de combustível. E não constava que o suminho de cevada emborcado na noite anterior explodisse na presença de uma faísca, porque senão o Velhinho há muito que tinha rebentado. Continuava são que nem uma pêra, porque tinha sido visto há uma semana atrás a arrastar uma porta, pela praceta, com o Pilas a dormir em cima, para lhe ir dar o cházinho retemperador do costume. Queria isto então dizer que o pescador iria ficar apeado quando regressasse da próxima pescaria, indo engrossar a lista dos “desaparecidos com bom-tempo”.
O dia chegou ao fim, significando que se aproximava a hora crítica, a noite, onde todos se transformariam em demónios, mas de “boas famílias”. O retorno à casa do General foi feito no meio de transporte do costume, “peidociclos”, indo o Karateca  Fánoir à pendura do adolescente Peidão, o mais ajuizado, numa Yamaha 50 “Mini Enduro”, tendo o mau hábito de ir sempre em pé aos gritos. As péseiras acabaram a época balnear a apontar para o chão e as suspensões traseiras a queixarem-se de escoliose grave. Na casa de banho havia fila para o banho, e o cartaz na porta, escrito pela esposa alemã do militar, pedia para deixarem as instalações tal como as tinham encontrado. Quinze dias depois parecia que o areal da Praia da Luz se tinha mudado para o sanitário do General.
Banho tomado, umas quantas latas de atum e sardinhas com tomate abatidas, e o G.M.R.C.P.A. rumou todo aperaltado para o “Luz Bay Club”, agora ocupado pelos pescadores, depois de terem corrido, e muito bem, com os arrogantes “bifes”. E tudo isto graças ao “Espírito do 25 de Abril”, que foram os melhores anos para se ser adolescente, porque a Lei tinha morrido!
O irmão do Marreco estava de amores por uma “franciu”, com cara de suíno e exclusividade na língua francesa. Assim, os amigos falavam à vontade junto a ela, questionando-o porque é que andava com a “Porky”. Seria que depois da meia-noite se transformaria em princesa? Só quando o fabuloso Carateka Fánoir confessou que tinha medo de ir para casa sozinho, impossibilitando assim o Marreco mais velho de ficar a apanhar gambuzinos na praia com a oxigenada, é que a “vampe” teve um ataque de caspa, descontrolou-se, e desbobinou o que lhe ia na alma mas … em português. O resto do que faltava da noite foi passado na casa do General, com o Tonico já mais para lá do que para cá, com a cabeça encostadinha aos pés nauseabundos do belga, que obrigavam o resto do pessoal a conservar um perímetro alargado de segurança, visto ser impossível descobrir oxigénio naquele ambiente pestilento. Enquanto todos tentavam descobrir um espaço para dormir, eis que chega o Graise envergando um bonito vestido de cor verde alface propriedade da mulher do General, que tinha descoberto no armário do quarto onde ia pernoitar. Atrás dele seguia-o outro, e outro, e outro, parecia uma passagem de modelos da Fátima Lopes. Foi uma noite longa, muito longa!




No comments: