miguelbmiranda@sapo.pt

Saturday, July 07, 2012

O Comandante Guélas - Série Colégio Militar 11 - O dia em que o Colégio Militar mudou


Comandante Guélas

Série Colégio Militar




O Semita, senhor de um belo nariz, voz rouca e cabelo amarelado, jogava tranquilamente uma partida de xadrez na sala de professores, quando:
- Senhor engenheiro, não jogue assim, porque senão ganha-me, - disse, já um pouco exaltado.
- Mas eu jogo mesmo para ganhar! – Retorquiu o engenheiro Casanova.
Não era esta a resposta que o professor de Física e Química, que obrigava os alunos a decorarem a Tabela Periódica e as Leis de Kirchoff, nem que fosse com a ajuda pedagógica do ponteiro, desejava ouvir. O seu pensamento estava agora a caminho do centro da noite, rodeado por um nevoeiro espesso, tentando encontrar um interruptor que acendesse uma luz. Mas a jogada do adversário precipitou as coisas:
- Xeque ao rei!
Com a mão esquerda o engenheiro Grijó, que era senhor de um grande livro de exercícios resolvidos que nunca ninguém conseguira deitar a mão, virou as peças do tabuleiro e retaliou:
- Ainda se lembra da jogada?
Não muito longe dali o padre Miguel dava largas à imaginação, contando uma história surreal, quando reparou que toda a turma acabara de arregaçar as calças, sinal de que  estava a “meter água”. Resolveu a situação com várias chapadas nos da fila da frente. Mas a atenção de todos foi desviada com o barulho ensurdecedor de vários chutos na porta, e alguém a gritar do lado de fora:
- Ó Carioca tira a mão da minhoca!
A risota foi geral, e a aula ficou por ali, porque o professor precipitou-se para a porta e desapareceu em sprint lá para os lados das companhias.
A semana tinha sido difícil, a cerimónia oficial no campo de futebol de 11 fora de loucos, o batalhão permanecera várias horas formado debaixo de um sol abrasador, e recebia ordens – “firme – siope (sentido) – ombro arma – apresentar arma (e engatava o cão no cinto para aliviar o peso) – descansar arma – à vontade” - de cada vez que aparecia um general ou brigadeiro, uma autêntica praga de estrelas que parecia não ter fim.
- Vou desmaiar, - disse a uma dada altura o Horrível (125), já farto de estar na formatura.
Caiu controlado, pois à sua frente estava o punhal, e foi imediatamente auxiliado pelos colegas (“Um por todos, todos por um”), que largaram as Manelican e aproveitaram a boleia para irem beber água debaixo das sombras dos eucaliptos. A moda pegou e só o Paleta (413) conseguiu estancar a hemorragia, ameaçando com vários meses de “apresentações à alvorada” e uma “firmeza” digna de registo.
Mas em 1977 deu-se um acontecimento que teve maior impacto na vida do colégio do que a revolução três anos antes, altura em que o padre Vladimiro disse à turma do Pláni, “cuidado jovens, cuidado pois estão uns homens maus a atacar Lisboa”. O inimigo chegou sobre a forma de um telefone vermelho no Corpo de Alunos, e acabou com o mítico internato de domingo à noite até sábado à tarde, acrescentado para uns com fins-de-semana de detenção. Estava aberta uma brecha nos muros altos! Os Meninos da Luz passaram a ter acesso a um telefone que os punha diretamente em contacto com o exterior. Logo ali se formou uma estranha movimentação. Os melhores clientes eram os “ratas” (alunos mais novos), ou melhor, aqueles que conseguiam meter as moedas antes de serem emboscados pelos mais velhos. Eram detentores de carteiras recheadas, e obrigados pelas mães a fazerem o relatório diário da estadia no colégio com que as progenitoras tentavam impressionar as amigas como sendo “só para a elite”, mas de quem iam logo fazer queixa, caso os seus bebes comessem um calduço, em vez de um “danoninho”! Quem detinha o poder de falar eram os graduados, os do topo da hierarquia, que ficavam horas ao telefone com moedas alheias. E foi numa destas ocasiões que, com a língua a arrastar pelo chão, um artista anunciou que ia ligar à “namorada”, e a conversa libidinosa prolongou-se para além do recolher. Já no fim virou o telefone ao contrário, para ver se conseguia recuperar alguma moeda que lhe desse acesso a mais uns minutos de prazer. Mas um dia o telefone vermelho serviu para pôr o Colégio Militar em alerta máximo, depois de alguém ter telefonado para a avó do Boinga a ameaçar raptar o seu bambizinho. O pânico da senhora foi tal, que esteve todo o dia a ligar para o Diretor e o Subdiretor.
 E como a necessidade faz o engenho, alguém descobriu que, enfiando uma faca na ranhura, o crédito tornava-se ilimitado. Mas num colégio de excessos que formava homens para a vida toda, um dia um aluno enterrou tão fundo o seu instrumento, que ele ficou lá colado, só tendo sido solto com a ajuda dum técnico dos TLP. 










Tuesday, July 03, 2012

Camarada Choco 89 - Tubarões do Seixo


Camarada Choco

Aventura 88

O Choco já era uma lenda no desporto quando o padrinho, o Stor Pobre, resolveu dar continuidade aos êxitos da Escola para Desaparafusados da Venteira, e passar a dizer sempre “sim” a todos os convites, em todas as modalidades, recusando assim a parte da “recreação” destinada aos “Desaparafusados ao Quadrado” nos encontros  da “Elite dos Desaparafusados”, que só os queriam para a estatística. E tudo começou quando inscreveu os únicos atletas existentes na corrida do ”El Coxo”, uma prova de velocidade extrema à porta da Câmara Municipal, enquadrada na Semana dos Amigos dos Desaparafusados da Amadora. Como só se inscreveu a Venteira, que na altura tinha tenda montada na Brandoa, as medalhas já eram favas contadas. Foi o início da carreira fulgurante da mítica equipa dos “Tubarões do Seixo”, que tem como lema “O “i” cai sempre à entrada do clube”. Na linha de partida cinquenta metros acima da porta principal da câmara, onde se encontravam as entidades oficiais de fato e gravata, alinharam o Peixe Espada, o Saltitão, O Choco, a Zumira Destravada, a Mercedes Esgoto e a Papoila. O tiro de partida iria ser dado pelo vereador, dando assim início à “Semana Desportiva para Todos”, um vasto conjunto de eventos dedicados à saúde, e que iriam mobilizar esta meia dúzia de Desaparafusados, a que se juntariam outros tantos Aparafusados em cadeiras de rodas de competição, dois anões e um marreco. No final a estatística referiria, como já era tradição, centenas de participantes, contando com as pessoas que tinham corrido para apanhar o comboio na estação. Até ser dada ordem para o arranque, o Castanheira agarrava no Peixe Espada para não cair, e servia de encosto à Mercedes Esgoto, enquanto que a Papoila estava de olhos vendados e amordaçada; o Saltitão mexia-se na vertical e o Choco preparava-se para uma partida baixa, estando por isso de gatas. Quando o político juiz levantou o braço para o tiro, sentiu-se uma inquietação, a polícia bloqueou os cidadãos, não se sabe se para os proteger ou para proteger os atletas. Ainda o tiro não tinha sido dado e já os velocistas da atual Venteira, ex-Brandoa, desciam vertiginosamente a avenida, com a Papoila e a Zulmira Destravada a gritarem a plenos pulmões, e o Peixe Espada a ameaçar trincar os paralelepípedos. O Saltitão ficara no mesmo sítio, tendo só aumentado o ritmo dos saltos e a colega Zulmira Destravada optara por uma chiquérrima feijoada, que lhe escorria pelas pernas. Duas horas depois a meta teve de ser encurtada, apesar dos concorrentes estarem sempre à vista,  o almoço do vereador e companhia ameaçava não se concretizar, e um político com hipoglicémia aos comandos dum município, não era aconselhável. O primeiro a chegar foi o Castanheira, que não estava inscrito, arrastava o Peixe Espada, mas mesmo assim levou a taça. E foi assim que começaram os “Tubarões do Seixo”, em competições individuais, mas rapidamente saltaram para os desportos colectivos, atingindo o clímax no futebol, onde todos os golos lhes pertencem, não têm limite de jogadores, dependendo da tática do mister. E foi nestas condições que um dia defrontaram uma equipa maravilha, com adjunto e estatística na hora, que acabou com o adversário à beira de um ataque de nervos, e os pseudo-Desaparafusados a pedirem explicações ao seu treinador acerca dos festejos dos “Tubarões do Seixo”, que saíram a correr do recinto de jogo logo após o apito final e com o resultado de trinta a zero. No último encontro a surpresa foi total, os jogadores da Venteira requisitaram todos os Desaparafusados disponíveis na altura, incluindo um guarda-redes extra, e o embate foi de vinte contra cinco, que deixou o árbitro à beira do suicídio!