miguelbmiranda@sapo.pt

Friday, December 25, 2009

O Comandante Guélas - Série Paço de Arcos 19 - Queques com cheiro a merda





Comandante Guélas

Série Paço de Arcos

A excursão tinha como destino, para variar, a Estalagem do Farol, mas desta vez com uma variante, Litopol. Tudo iria depender do comportamento do Max. Mais uma vez não teve o bom senso de deixar entrar aqueles meninos de “boas famílias” paço-arcoenses. Fez mal, muito mal. Transformar alcoólicos…perdão…acólitos, em diabinhos não era muito aconselhável. Com o acesso ao espaço de dança barrado, tiveram de ficar pelo bar, que estava cheio de queques que debitavam “você” a torto e a direito. O Pontas e o Peidão não queriam, mas a culpa foi toda do Max. Entraram na casa de banho individual, um abriu o saco com o pó de nome Litopol e o outro despejou o Ácido Muriático. Como de costume o conteúdo começou em efervescência, o saco foi colocado atrás da retrete e o duo saiu calmamente. Sabiam que o efeito só começava a sentir-se cinco minutos depois. Sentaram-se junto ao Rodrigues, o dono de tudo. Ainda tiveram tempo de ver o Espiga e o C. Gomesl, meninos do Coro de Santo Amaro de Oeiras, a entrar no bar, super-queques e à procura de uma mesa. Mas tudo se precipitou como o habitual. Um cheiro a merda repentino abateu-se sobre o espaço e todos olhavam com preocupação uns para os outros. Ninguém ousou levantar-se pois tornava-se de imediato suspeito. E ter fama de bufar-se como um elefante não caia nada bem naqueles queques de Cascais. O cheiro crescia e o C. Gomes olhava para todos os lados com um ar indignado. Até que não aguentou mais o cheiro a queque e a merda misturados:
- Peidaram-se, algum de vocês peidou-se à grande e à francesa, - e olhou de cima para baixo para os meninos e meninas de bem. - Seus porcos, vocês andam a comer feijões e favas o dia todo.
- Quem deu este peido com toda a certeza que deixou molho e está colado à cadeira,, é por isso que não se levanta, - reforçou o Espiga.
A debandada foi geral, a sala ficou vazia num instante, o Litopol fazia jus à sua tradição. O Max já tinha sentido o cheiro e tentava disfarçar com “Haze” que foi substituído por “Xeltox” quando o outro acabou. A mistura tornou-se irrespirável, o Pontas teve de mostrar solidariedade ao Rodrigues:
- Selvagens, são uns selvagens, - revelando uma promissora carreira política.
- Isto é inadmissível, mas eu já seu quem eles são, - disse-lhe o astuto Rodrigues.
- Sabe?
- Eram aqueles que estavam ali em pé a caluniar os meus clientes. O cheiro só apareceu quando eles entraram.
- No hotel do meu pai eram tomadas medidas drásticas, - disse o Pontas.
- Hotel?
Então o Pontas contou-lhe ser filho do proprietário de quase todos os hotéis de cinco estrelas da capital, incluindo a típica "Pensão Moreira", e à conta desta fábula tornou-se convidado Vip do Rodrigues, com bar aberto em todos os recantos da Estalagem. A partir daqui passaria a ter direito a continência do Max, que lhe abriria a Porta para ele não sujar as mãos e a mesa reservada junto à janela panorâmica, para assim poder abri-la e facultar acesso aos seu gang de caucasianos de boas famílias. Ainda houve tempo para ver um casal de gringos a chegar à estalagem cheio de malas e a fugir em pânico quando se aperceberam do cheiro estonteante a merda, no mesmo táxi.




Saturday, December 12, 2009

O Comandante Guélas - Série Educação 2 - Os "Bocas de Palhaço"





                        Comandante Guélas
                                         Série Educação
 
Na Taberna da Milú - II
A insistência fundamentalista da importância dos números no futuro, coloca muitos assuntos nas margens da escola, que praticamente não os vê, a não ser a certas horas mortas. E quando os encontramos temos agradáveis surpresas. Faltavam cinco minutos de um último tempo lectivo de uma tarde de Inverno. A Sara estava encostada à rede, num sítio onde a luz do projector tinha dificuldade em chegar. Chorava baixinho porque estava com medo.
- Medo? – Perguntou-lhe o Stor Miguel.
Medo do que o Trinca-Espinhas, uma raridade num mundo de gordos, lhe contara debaixo duma das tabelas de basquetebol.
- É por causa do “Gang dos Palhaços”, - respondeu com timidez.
O Stor teve um “Flash Back”. O dia que agora chegava ao fim fora pródigo em acontecimentos. O colega Jorge tinha sido confrontado, pela primeira vez, com uma “travadinha” do seu aluno monga, que incluíra babas, bufas, mijas e ruídos do além, que o obrigaram a dar colinho fofinho a um africano com cheiro a tudo o que as moscas mais gostavam, e de quem os colegas fugiam. Era a estranha política desta “inclusão” que não apresentava uma ideia, um desígnio, uma estratégia, uma ambição, uma esperança. Quando a colega da equipa especial chegou, com o “SOS” na mão, um tubo para enfiar directamente no buraco do olho caso o abanão ultrapasse o tempo de validade, o Peixe Espada Preto já tinha retomado os estudos e o stor Jorge tentava livrar-se de alguma da baba pegajosa e enxotava as moscas que agora também não o largavam.
- Anda um gajo a dar aulas para isto, - desabafou.
No dia anterior, também já lá para o fim, o stor Miguel, depois de uma observação rápida à turma de “currículos alternativos” do colega Rui descobrira que a todos aqueles alunos escolhidos a dedo faltavam carradas de neurónios, e havia uns que desconfiava terem só areia, mas para isso teria de lhes fazer um furo na cabaça. Ficava-se pelos comportamentos, como girar os olhos compulsivamente, lamber o chão com apetite, estar sentado sem qualquer movimento, ou seja, características que numa Cerci os recambiavam para a sala dos “quiabos”, com apoio extra de todos os técnicos disponíveis, e com passagem obrigatória pela sala de Snoezelen. Mas voltemos ao assunto dos palhaços. Como a Sara insistia no perigoso gang, o Trinca-Espinhas foi convocado e confirmou a história, um amigo, de uma amiga, da vizinha, prima de uma tia tinha sido vítima destes perigosos colegas do Batatoon, e ele pedira satisfações à familiar, que lhe confirmara a tragédia. E disto isto desatou a chorar, fazendo com que o stor abanasse os ombros:
- E os meus mongas é que são os malucos! – Desabafou desaparecendo na escuridão.
O dia tinha sido pesado, até o chefe com tendências centrípetas tinha tido uma convulsão no início da reunião, quando anteviu, estilo “2012”, uma catástrofe para a zona:
- O que vai ser desta escola quando eu sair?
Esta visão talmúdica do mundo contrastava com os pensamentos dos presentes que, caso tivessem sido tornados públicos, mostrariam uma “Mega Festa”, tão ao gosto do chefe, mas desta vez não com carácter de frete, mas sim como manifestação de um desejo colectivo já há muito prometido, mas ainda não concretizado. O dia findou com a resolução de um mistério que andava a tornar-se um caso obsessivo para a menina Rosa: tinha sido apanhado em flagrante um dos membros do Gang dos Mijões, que insistiam em mijar contra a parede dos chuveiros, em vez verterem águas na retrete. O stor Miguel sugerira substituir o cheiro por lixívia da pura e dura, para lhes apagar o rasto, mas fora informado de que a ASAE proibira tal produto no recinto escolar. Enfim, modernísses.

Thursday, December 03, 2009

Camarada Choco 66 - “Levanta-te e Anda”




Camarada Choco
Aventura 66

Esta é a estória que nunca vos contei porque a ligação entre a memória onde estava guardada e o exterior, esteve durante muitos anos bloqueada, como uma espinha na garganta, sinal de que a minha tola por vezes pensa direito, mas por sinapses tortas. E tudo isto devido à conjugação de dois acontecimentos raríssimos, tal como o meu síndrome: o regresso do meu Padrinho e o retrocesso, do também meu, conteúdo encefálico micro. Vamos por partes. A Lurdes, uma ministra raríssima, trouxe consigo uma ainda maior raridade, o Valter, que nem para colega nós queríamos, e passaram para lei uma verborreia avassaladora e demagógica, que prometia a nossa ida para a escola dita regular e um canudo de “engenheiro” alguns meses depois, tal como o outro. E devido a isto o meu Padrinho acabou enrolado, como os surfistas nas ondas, e teve de nos abandonar abruptamente, a frio. Ficámos órfãos, entregues à nossa sorte, ninguém do ministério nos quis continuar a treinar. Mas eu sabia que o meu herói não nos iria abandonar. Telefonou, escreveu, refilou, massacrou, ameaçou, até que as tias, antevendo irem ter um ano letivo pior que o da Lurdes, enviaram-no de regresso, sem remetente. A chegada do meu Padrinho coincidiu com mais um retrocesso da minha tola. E o milagre aconteceu! Antes que tudo se apague com uma “santinha”, resolvi partilhar mais esta aventura. O herói dá pelo nome de Tarzoon, apesar de ser macho, é um bronzeado compulsivo, e quando chegou à nossa querida casinha, vindo diretamente de um dos muitos condomínios fechados africanos da Amadora , trazia preso ao cagueiro uma cadeira de rodas do fim da monarquia. Ainda tinha passado pelo Centro das Tias junto a Alvalade, mas mal se aperceberam que o sagui de tenra idade iria transformar-se num gorilão com mau aspeto e cheiro a catinga permanente, capaz de denegrir a imagem impoluta daquela instituição para mongas caucasianos com futuro e responsáveis por muitos tachos, depressa arranjaram um motivo para o pôr a milhas dali. E o local para casos raros que davam muito trabalho, era sempre o mesmo, a nossa querida escolinha. Uma semana após a chegada do Tarzoon, entalado numa cadeira de rodas, estilo sardinhas em conserva, apareceu uma equipa de tias para impressionar o meu Padrinho e a Chefe Bélinha, e assim lavarem as mãos como Pilatos. Depois de muitas palmadas técnicas, abanões pedagógicos e medições futuristas veio o veredito estilo Professor Karamba:
- O Tarzoon nunca irá andar.

Dito isto arrumaram a tralha, depois de se aperceberem que já estava na hora do almoço, razão principal para a visita de cortesia, e fugiram dali como o Diabo da Cruz, não fossem ficar impregnadas com o cheiro de babas e borras, não sem antes prometerem ir enviando na volta do correio o material indispensável ao desenvolvimento harmonioso do Tarzoon. Como já era tradição tudo chegaria fora de horas, a forma já não era para aquela perna, só serviria para fazer tortas de laranja, e o meu Padrinho, que já sabia disso, não perdia tempo com ninharias, optando sempre por improvisar e adaptar, tudo em benefício do Tarzoon que lá ia crescendo e evoluindo a olhos vistos. Todos os Aparafusados participavam, o atleta parecia ser de alta competição: arrastava-se pelos corredores, mergulhava no tanque e na piscina, andava nos cavalos das tias de Cascais, acelerava numa bicicleta construída pelo Stor Pobre e pelo Castanheira, com peças encontradas num ferro velho, que encheram o corpinho do Tarzoon com milhares de quilómetros, percorridos nos corredores da nossa querida escola, preso ao bólide com fita de embrulho, muito mais segura do que as faixas, utilizando os curtos movimentos que fazia. O Tarzoon mais parecia que estava nas tropas especiais, como os Comandos seus vizinhos.
-Hás-de andar, a bem ou a mal, - prometia-lhe o meu Padrinho, que também era dele, ou melhor, de nós todos. – As p… das tias não hão-de ficar a rir-se. Ficam só com os mongas brancos de boas famílias que não lhes dão trabalho e ajudam na estatística do Centro, que à conta disso ganha os subsídios todos e mais alguns, permitindo assim manter a quota de tachos e mordomias.
Para o Stor Pobre e todos os outros era uma questão de orgulho, a sua escola que recebia sempre o lixo das tias, iria ser pioneira na reciclagem. E o milagre aconteceu, não se sabe se por obra do meu Padrinho ou pela breve passagem de um homem barbudo com uma túnica branca: o Tarzoon um dia levantou-se e nunca mais parou. Passa agora todos os dias por mim, sorridente e com um speed proporcional ao seu andar balanceado, já próximo da idade adulta. E como a lei da Lurdes se mantem, nunca mais os futuros Tarzoons tirarão o cu das cadeiras, porque na outra escola só interessa o Português e a Matemática. Continuarão a ser lixo!

Thursday, November 26, 2009

O Comandante Guélas - Série Educação 1 - “Piolhos Crónicos”





Comandante Guélas
Série Educação 
Na Taberna da Milú - I

Será isto Educação? Educação não é certamente e a Escola não deveria bater assim.
O espaço abundava em clichés, frases feitas, repetições sem conta, incongruências e contradições, vómitos de banalidades, pessoas que acreditavam ter mais conhecimentos do que outros e por estarem num posto hierárquico superior achavam-se no direito de subestimar os subordinados, apesar da vida exigir muito a compreensão, ou seja, manigâncias de uma Lurdes ressabiada, que um dia fora ministra e quando aluna usufruíra das “passagens administrativas” da Revolução dos Cravos, que incluíra saneamentos de professores que ousavam ensinar, quando na altura a política era a da farra. Foi no meio deste cataclismo pedagógico, agravado por stors com tendências centrípetas, que a dona Tulipa alertou para o facto dos bichinhos serem “enormes”, “assombrosos”, “opulentos”, transformados em “elegantes”, “espectaculares” pela pedagogia do quinto grau do Valter e da Lulu. A escola era assim obrigada a matriculá-los para que a mãe não sofresse mais um trauma, como o do ano anterior, e proibisse a filhinha de pôr os pés no espaço, que de “educação” tinha muito pouco, obrigando os “stores” a reuniões intermináveis e à destruição de várias florestas da região para as transformar em resmas de papel, que dariam lugar a relatórios sem fim, incluindo aquele que descrevia a cerimónia do hastear da bandeira verde, que declarava a escola “amiga do ambiente”. Os “pediculus humanus capitis” unidimensionais redemoinhavam como palhas, sinal de que também sofriam da doença da moda, a PHDA, Hiperactividade com Défice de Atenção, antigamente chamada FA, “Falta de Educação”, que se curava com umas boas EGA, “Estaladas Grátis Apropriadas”, substituídas nestes tempos modernos pela célebre Ritalina, uma droga cara, paga, como sempre, com os impostos do povo e comprada aos amigos pelos decisores. E como a Florzinha não parava, os bichinhos mais dotados seguiam-na, enquanto que os com mais dificuldades despenhavam-se contra o solo, sinal de insucesso garantido. E para resolver esta injustiça social, a menina apresentava-se muitas vezes de chapéu, fizesse sol ou chuva, fosse de dia ou de noite, para assim segurar o fluxo incessante da bicharada, aumentando-lhe o “sucesso escolar”, tão desejado na “estatística a martelo”. Diziam as crónicas que a família fundira-se há muito com o emaranhado de “pediculus humanus capitis”, que se projectava à sua volta, tornando-se no elemento ordenador daquele núcleo, cujas formas enchiam todos de energia. Aumentava assim o valor do Rendimento Mínimo da família da Florzinha, porque com toda esta política de face oculta os seus piolhos tinham adquirido o estatuto de estudantes e como tal mereciam ter direito a uns “cosques”. Pertenciam assim à iconografia do ministério que tinha atingido o cúmulo do ridículo com a insistência fundamentalista da importância dos números na cabeça dos petizes. Com estas metas traçadas, a Florzinha merecia o nome no “Quadro de Honra”, porque os “pediculus humanus capitis” eram aos milhares!

Friday, September 25, 2009

O Comandante Guélas - Série Paço de Arcos 18 - Marginal de Dia







Comandante Guélas

Série Paço de Arcos


Eram poucos os momentos de glória, mas valiam a pena. Durante o Rali de Portugal havia uma altura em que os participantes tinham de fazer a ligação entre Lisboa e Cascais, via Marginal. O povo esperava-os e eles distinguiam-se no meio do trânsito normal porque traziam os faróis acessos e ambos tinham capacete na cabeça. Na face do Conan Vargas cintilavam os olhos a anunciar uma tarde de fama. Havia na Marginal uma atmosfera luminosa, um brilho. O condutor do Ford Escort branco já tinha o filme dentro de si, via-se de penico branco na cabeça, comprado na Dona Maria das Bicicletas, com os máximos ligados, o grupo sanguíneo na porta, “O - RH menos” (“Ó” de Óscar, “RH” não sabia o que era e “menos” era a nota que tinha apanhado a comportamento no Liceu de Oeiras), e o barulho das fêmeas a sobrepor-se ao seu tubo de escape e, acima de tudo, a gritarem pelo nome artístico: Óscar! Conan Vargas era uma criatura nocturna que dava “oito seguidas sem ver a luz do Sol” (citação). Quando o nosso herói se sentou ao volante do carro, lembrou-se que na noite anterior tinha sido o co-piloto do Pilas, que batera o recorde da vila ao entrar “prego a fundo” pelo lado do bar “Marginalíssimo” e ter passado pelo “Manuel da Leitaria” a 140. Desta vez tinha ao seu lado o jovem adolescente com o cognome de Peidão, uma jóia de menino, que reparou que o piloto estava com a mesma cara, o mesmo cabelo e um olhar alucinado só reservado para estes breves momentos de fama.
- Quando o Conan se despistou em Carcavelos, na curva do sanatório, estava com este olhar, - foram estas as palavras de incentivo do Bigornas ao mesmo tempo que entregava os capacetes à equipa paço-arcoense número dois, uma vez que o Pilas já tinha arrancado com o Velhinho.
Se estava ou não alucinado quando desfez o carro da mãe, o Peidão não sabia, mas o relato do desastre feito pelo irmão do Zé do Fotógrafo era muito completo. O Conan tinha acabado de tirar a carta e queria impressionar as fêmeas lá para os lados do “Santini”. Como o seu “chaço” de certeza que causaria má impressão nas meninas queques de Cascais, inventou uma desculpa da falta de gasolina e de um exame da quarta classe imprevisto, e a mãe emprestou-lhe o carrinho que ainda estava em rodagem:
- Guia com cuidado, - avisou-o.
- Eu não sou burro! – Rugiu o Conan Vargas.
Encheu o carro de amigos e partiu a todo o gás. O Bólide ia com a língua de fora quando fizeram a curva, começaram a rodopiar e a bater em tudo o que era obstáculo. O Bigornas meteu as mãos na cabeça, segundo contou, e preparou-se para o mergulho no esgoto. Como é que iria safar-se no oceano se, como dizia o teórico Focas, “quando alguma vez cair numa parte funda só poderá pedir socorro com os pés, pois a cabeça funcionará como uma poita”. Não era por acaso que tinha o cognome de “Bigornas”. Tiveram sorte, Deus ainda não os queria lá em cima. O carro não foi cortado ao meio, porque bateram no poste junto ao motor, já depois da bagageira ter ficado desfeita quando atacara o muro do Sanatório.
Este pensamento varreu-se da cabeça do Peidão na altura em que o carro partiu, a fazer muito barulho, mas em passo de caracol. As fêmeas não estavam longe, encontravam-se distribuídas por toda a Marginal e o Conan queria sentir o cheiro de todas elas. Foi a sua consagração, já se via o agente secreto Óscar, à medida que o carro avançava com os faróis acesos, os pilotos de penicos na cabeça e o povo a aplaudir em êxtase uma das equipas do rali mais famoso do mundo. Mas nem Holliwood, nem Bolliwood, pois a única vez que Conan Vargas apareceu na televisão foi no anúncio ao “WC Pato”, em que se levantava da posição de cagador, abanava a mão junto ao nariz e era salvo por um perfume inebriante saído do autoclismo.

Saturday, July 25, 2009

O Comandante Guélas - Série Paço de Arcos 17 - Carjacking



Comandante Guélas

Série Paço de Arcos


-->
O primeiro carjacking do país teve a assinatura de um paço-arcoense, o Pacheco do talho, um loirinho com caracóis de caniche, e tudo isto coincidiu com o aparecimento do primeiro Multibanco da zona, lá para os lados do “Ronda 99”, um “bar de tudo”, na terra das “queques”, que começavam a ser substituídas pelas “tias”, fêmeas sem raça definida. Neste sub–gang de Jovens adultos caucasianos de boas – famílias de Paço de Arcos ia o Orlando, a testemunha viva e juramentada desta cena digna de Hollywood que, apesar da idade, da careca avançada e da barriga dilatada, ainda mantém intactos os registos que viabilizaram o relato de mais esta imemorável aventura.
Era uma vez…
um velho acompanhado de uma dama, ao volante de um Mercedes topo de gama que parou junto à única caixa de Multibanco do país, para impressionar a oxigenada tipo Lili.
- Querida, vou levantar dinheiro.
- Levantar dinheiro?! A esta hora da noite? Mas os bancos já estão fechados.
- Agora já há esta caixa, que dá dinheiro e eu já sou sócio, – disse o velho com cara de leitão mostrando orgulhoso o cartão.
Foi o acto do levantar do braço para mostrar à múmia o glorioso que dava acesso à caixa, que chamou à atenção do Pacheco, que estava pacatamente no passeio do outro lado, a conversar com os amigos. E para agravar a situação o velho deixara a porta do seu lado aberta para que a namorada visse melhor o seu acto, e o motor a roncar. O cérebro do paço-arcoense com cabelo loiro estilo caniche começou a fervilhar e não mais parou. Correu de imediato para o bólide, sentou-se ao volante, e arrancou com os pneus a chiar e a debitarem nevoeiro para cima da única caixa de Multibanco da Costa do Estoril, onde ainda só tinham acesso colegas do Pierre Pomme-de-Terre, futuro engenheiro da construção civil, Licenciado em Tijolos e Tuvnan Chinês pela Universidade das Ilhas do Seixal. O velho ficou imóvel com o glorioso na mão a ver desaparecer no horizonte os seus dois topo de gama, o Mercedes e a Lili,, assim como os amigos do Pacheco. Felizmente no fim da recta havia uma rotunda e foi aí que o Fangio da Praceta fez um pião digno dos melhores James Bond e voltou ao ponto de partida, estancando com estrondo e elogiando a performance do bólide com uma palmada nas costas do proprietário, que só teve tempo de correr para o seu Mercedes e desaparecer na escuridão da noite.





Sunday, July 12, 2009

O Comandante Guélas - Série Paço de Arcos 16 - Marginal à Noite


Comandante GuélasSérie Paço de Arcos



O calor apertava, estava uma noite de Verão magnífica e a praia de Carcavelos estava escura, muito escura, com maré-cheia e ondas grandes. O Gang regressava a casa de mais uma noite louca na discoteca do Farol, ainda por cima com uma vitória estrondosa do Milhas no concurso de dança que, no estado etilizado em que se encontrava, nem se apercebeu e ninguém se arriscava a dar-lhe a boa notícia, porque com este adolescente de genes incertos tudo funcionava ao contrário. Fora o único membro de todos os gangs da Costa do Estoril, que eram numerosos, a sair a Lotaria, mas para ele isso significou a sua desgraça. Quando os excursionistas de “boas famílias”, incluindo o Charlot que pertencia a todas, iam a passar junto do “Narciso”, não aguentaram a pressão do calor e resolveram ir refrescar-se. A água do mar estava quentinha, não se sabe se por força da Natureza, se por influência do esgoto que costumava despejar os cagalhões do dia à noite. O Gang entrou todo nu, tudo balançava ao sabor do oceano. Se o Capitão da Quinta Divisão soubesse! Estas ocasiões geralmente não acabavam aqui, tinha de haver algo mais radical. O que aconteceu a seguir ao banho foi único e irrepetível. - Quem é que consegue ir pedir boleia para a Marginal, todo nu? A pergunta desafiadora da praxe, a questão que levava ao acto. Só o Gang dos Meninos Ricos e Caucasianos de Paço de Arcos (G.M.R.C.P.A.) teve lugar na História, porque caso todas estas aventuras não tivessem acontecido, ter-se-iam reduzido a uma simples Associação dos Queques Cristãos de Paço de Arcos. Mas, continuemos! - Um por todos, todos por um! Um grupo de meninos adolescentes correu apressadamente para a estrada, que estava com o trânsito intenso, e por isso lento, com as pilas a chicotearem as pernas. Todos pediram boleia para Lisboa. O vencedor foi aquele que ocupou o traço contínuo e tentou acertar, não nas beatas que forravam os fundos dos urinóis, mas nos carros que passavam. A rotina de uma noite quente de Verão foi quebrada por um show erótico, que nos dias de hoje os chefes de família de Paço de Arcos se recusam a comentar: - Não, não me lembro, nunca me dei com malta dessa! Havia algo a favor daquela gente abençoada, os telemóveis não existiam e por isso a GNR só actuou no dia seguinte, e deu de caras com meninos já avisados e muito bem comportados.

Sunday, June 21, 2009

Camarada Choco 65 - Codex 632


 Camarada Choco
 Aventura 65 


A camisola que vestia tinha as mangas cavas, expondo às fêmeas umas peles brancas cor de Maizena, cobertas com vegetação mais apropriada às zonas baixas do corpo. Fechou os alunos na sala, aproximou-se do espelho chinês, com muitos anos de Feira Popular, e desabafou:
- Ah Silvestre Stalonas, está na altura de ires procurar a fêmea que te dará a próxima geração de anõezinhos.
Meteu sofregamente a mão nas calças e tirou uma fita-métrica do Aki. Aproximou-se de um calendário com Desaparafusados da Michellin e definiu as medidas obrigatórias da sortuda:
- …mais baixa do que eu, ou do mesmo calibre, - pôs o dedo nos 120 centímetros e continuou. – Ser obediente, ganhar menos, abaixo dos 40…
Mas algo o distraiu quando trancou a porta da sala, onde antes trabalhava e agora pouco tempo permanecia, perdido na sua incessante busca da Fêmea perdida:
- A Tareca está com a mania que é doutora, até tem um dossier e tudo, e está cheio de papéis, - lamentava-se a outro espelho a Faísca. – Só quer é reuniões.
Ao espreitar na curva do corredor, o garanhão tocou inadvertidamente num quadro e detrás dele caiu um papel.
- “Codex 632”?!!
O título estava a negrito e no canto superior direito destacava-se a vermelho a palavra “Top Secret”.
- Um documento sigiloso? Escondido atrás do quadro com a cara da Madrinha? Que interessante.
Olhou para todos os lados. O andar estava vazio, excepto a Faísca que continuava a fazer queixas ao espelho. Regressou pé ante pé ao espaço onde antes trabalhava e agora fingia que o fazia, e trancou-se.
Nomina Sunt Odiosa
Aquí el informe de los restos de la farra ocorrida en mi presencia entre el Codex 632 y el Voz de Bagazo, el 3 de junio del año de Gracia de Mi Querida Madrina, que en el futuro yo la sustituirei de acuerdo con la voluntad de Mi Madrina . Esa tarde cuando el conductor viejo ay detenido la Nau los dos acusados corrió y you fui detrás de les , ya la previsión de un farrobadó, prohibida por Su legislación, que aquí también es mía, y quiero cumplir, por escrito, si Su humor no nudar, diciendo que no dijo lo que todos escuchamos. Madrina, lo que vi fue una visión del Infierno. La Voz de Bagazo está por encima de la del Codex 632 y él trató de molde la serpiente, que ya estaba moribunda. Gracias a Dios todavía tive tiempo para ver las bolas que batiam a los demás como unas castañuelas, cada vez que corresponde a golpear en la parte superior de la serpiente, tratando en vano de poner en juego, como en las películas para adultos Noddy que no vejo por qué tapo los ojos con las manos y los dedos abiertos, como la Madrina. Señaló inmediatamente después de la ocurrencia, la hora, los minutos y los segundos, quem inmediatamente tiene la culpa, no a mí y no al delegado sindical, como aprendí de la Madrinha, a pesar de ser parte del grupo. Sálvese quien pueda. Y para no resolver la situación inmediata, como dice el bon senso, télefonei inmediatamente a la Señora para incendiar más y declarar una posible pandemia sexual. Sugiero a toma de la píldora del día siguiente para todos, incluidos los hombres, porque el azoreano ya tienne enjoos tuta las maganas y el tamaño de su vientre no es un buen pronóstico.


Su doctora también sin paja



Sunday, June 07, 2009

O Comandante Guélas - Série Paço de Arcos - Cavalos & Cavaleiros


Comandante Guélas
Série Paço de Arcos


O menino queque, mas mesmo queque, só montava a cavalo no Guincho. O Gang era constituído por meninos de uma “Geração de Oiro”, irrepetível. Mas chamar “Geração Rasca” à dos seus filhos, porque estudavam e recusavam-se a fazer cábulas, era um exagero. Numa característica os papás estavam em vantagem, eram geneticamente dotados de uma capacidade de adaptação a novas situações. E foi numa dessas alturas que a Becas entrou no café “Iolanda” e perguntou quem é que queria ir montar. Dito e feito, quatro levantaram os braços:
- Mas tu já alguma vez andaste a cavalo? – Perguntou o “Menino da Luz”, de nome Peidão, quando viu que o Xinoca estava de braço no ar.
- Eu tenho uma “Maxi Push”.
Mas havia um obstáculo a ultrapassar. O amigo da Becas, desconhecido do Gang, estava dentro do Renault 5 todo bonito, com chibata, botas de montar e cara de cu.
- Eles podem vir connosco?
O matador olhou para os quatro meninos de “boas famílias” e percebeu que, ou iriam todos, ou arriscava-se a ter de mudar um pneu. Teve bom senso. A excursão rumou para a aldeia de nome “Areias”, onde seriam alugados os animais. Quando os bichinhos foram entregues o Xinoca quase que saiu à carga, porque pensava que “Cavalo” e “Peidociclo” era tudo da mesma família, e por isso acelerou a fundo.

- Têm a certeza que o vosso amigo sabe andar de cavalo? – Perguntou o dono do picadeiro ao ver que o rapaz com cara de oriental não tinha qualquer vestígio de técnica de acompanhamento do trote, indo por isso a bater violentamente com o traseiro na sela e a enredar as rédeas nas pernas.

- Ele está habituado a montar as éguas em pêlo, - explicou o jovem Peidão, um ás na equitação.
O trombudo tomou a dianteira passando com um ar de desprezo por todos os amigos da Becas. A sorte devia-se ao facto de os cavalos estarem habituados a andar uns atrás dos outros e assim o do Xinoca teria poucas hipóteses de fugir. Atravessaram a rua e embrenharam-se nas dunas. Alguns metros mais adiante tiveram de reduzir para passo, pois era necessário poupar o rabo do chinês. Mas aconteceu o primeiro dos “previstos”, quando um ramo baixo lhes apareceu pela frente. Todos puxaram pela rédea esquerda e contornaram o arbusto, excepto o Xinoca que seguiu em frente e chocou contra o obstáculo. Passou o bicho e quase ia ficando o cavaleiro, caso não se tivesse deitado sobre a cabecinha do cavalo, folgando as rédeas e soltando os chinelos de quarto dos estribos. Ainda houve tempo para apostas, ganhando a opção “queda”. Valeu o sangue frio do trombudo que encostou a sua montada e segurou o animal. Pausa, o chinês estava mais inclinado do que a Torre de Pisa, e à medida que ia descaindo puxava as rédeas, arriscando-se a sentar o alazão no colo. Quando o líder o informou dessa hipótese, tirou as mãos e caiu na areia fofinha. Pôs-se logo ali uma dúvida: como é que ele iria montar, uma vez que não havia a escada do picadeiro? Veio-lhe à memória o paço-arcoense da Quinta Divisão e da falta que ele lhe fazia naquele momento. Caso fosse um dos presentes, manda-lo-ia agachar e ele obedeceria. Depois bastaria saltar-lhe para a espinha e montar. Mas a realidade era outra! O Xinoca teria de se desenrascar, nenhum dos presentes queria fazer de militar de Abril. Foi o que fez, meteu o bichano na parte baixa de uma duna e saltou-lhe para cima. Como o tempo já estava a escassear, foi necessário recorrer ao galope, porque senão nunca chegariam à Praia Grande. Ao chegarem ao Guincho cada um escolheu o seu ritmo e, de uma maneira geral, a carga foi a velocidade que imperou. Quanto ao Xinoca, optou por parar, largar o volante, enrolar um cigarrinho, ao mesmo tempo que dava folga ao rabo. Só que este tipo de cenas não eram as mais aconselháveis no momento, porque o animal cheirou o chão deitou-se de imediato, atirando o adolescente com cara de oriental de pantanas, tendo no entanto ainda conseguido dar a última “passa” antes de aterrar. O trombudo, que estava na outra ponta da praia, nem queria acreditar no que via. O cavalo do Xinoca parecia um cão a coçar-se no chão e quando a festa acabasse de certeza que iria a Cascais tomar um copo. E quem tinha deixado o Bilhete de Identidade, aliás o único a leva-lo, tinha sido ele, como prova que eram todos “meninos de boas famílias”. E o seu Renault 5 não valia nem metade de um burro sarnento, quanto mais um cavalo inteiro. Ficaria de certeza a lavar cavalariças o resto do ano e estragaria as suas botinhas com brilhantina. Meteu “prego a fundo” e conseguiu chegar a tempo. Quanto ao Xinoca, queria era regressar a pé, alegando já ter o traseiro em chamas e não querer ser confundido com algum revolucionário tresmalhado. Conseguiram convence-lo a dormir nessa noite de barriga para baixo, para que as marcas no mealheiro desaparecessem.

Friday, May 22, 2009

O Comandante Guélas - Série Paço de Arcos 14 - Férias de Verão – Brincando à Distribuição



Comandante Guélas

Série Paço de Arcos


-->
Se o Citron tivesse continuado a sua carreira no atletismo estava agora ao lado do Eusébio, a viver à das comendas. O primeiro a ingressar no mundo laboral foi o Pilas, que depressa se tornou patrão. Comecemos pelo início. O trabalho consistia em abastecer algumas livrarias e quiosques de Lisboa e da Linha de Cascais, de jornais e revistas. O motorista era o Pilas e tinha como ajudante o Citron. Mal sabia este que iria chegar ao fim das férias com uma excelente condição física, fruto de corridas contínuas e sprinteres que o seu companheiro e treinador o obrigavam, uma vez que arrancava sempre antes do atleta chegar à carrinha. Ficaram famosas as fugas do Pilas no centro de Cascais, com o Citron no seu encalço. O abastecimento da carrinha era feito lá para os lados do Marquês de Pombal e os primeiros postos da volta, além de clandestinos, pertenciam ao patrão do Pilas e dono da carrinha, que começava o dia a desviar revistas e jornais dos molhos que já estavam atados e etiquetados. Quando a carrinha iniciava o serviço ia com o rabo quase a tocar no chão e havia uma subida que tinha de ser feita em marcha-atrás caso a rua estivesse molhada, pois os pneus da frente estavam tão velhos que já não tinham força para se agarrarem aos paralelepípedos. A festa brava era reservada para os fins-de-semana, em que não havia trabalho, mas estava presente a carrinha. Ao patrão do Citron, o Pilas (capataz de outro) reservava-se o direito de trazê-la para casa, com uma obrigação: ficar parada! Mas isto era pedir muito a estes adolescentes irrequietos e ainda por cima com uma Peugeot comercial (sem rede a meio) a rir-se para eles. Bastava levantar o banco de trás e a máquina transformava-se num autocarro. No primeiro minuto da primeira sexta-feira à noite o patrão Pilas cumpriu escrupulosamente a ordem superior, outra coisa não seria de esperar, saindo de casa e desejando “boa-noite” ao Peugeot, mas quando já ia perto do Pica não aguentou a pressão da sua consciência e correu desgrenhado para o carro, saindo em peão e com os pneus a deitarem fumo por todos os poros. Foi assim toda a noite e as seguintes. Tinha de estar treinado para as corridas entre distribuidores, pois os da “Capital” estavam à frente na competição. O jornal “A Tarde” chegava sempre em último e isso o senhor Pilas não admitia. O Citron deixou assim de sair do carro e limitava-se a atirar o molho para dentro da loja. E foi numa bela tarde em que as três carrinhas concorrentes iam coladas umas às outras e já todos tinham estado ao comando da prova, que a “Tarde” ia assassinando um cliente. O proprietário da loja já estava à porta à espera, quando o Citron arremessou o molho atado, que acertou em cheio no velho e rebentou, espalhando os jornais pela banca e arredores. Ninguém parou. Após a vitória retumbante da equipa composta por dois paço-arcoenses de “boas famílias”, que cilindrou os adversários da Brandoa e da Porcalhota, o Citron arranjou uma namorada no Liceu de S. João, que fazia questão de visitar durante a hora de trabalho. Só convenceu o motorista, porque prometia-lhe sempre trazer uma amiga para o acariciar. A partir daqui o jornal “A Tarde” passou a chegar a Cascais à noitinha, com os clientes a reclamarem que àquelas horas já não vendiam nada.
- Ponha para as sobras, - respondia-lhes o Pilas.
Um dia o Pilas resolveu reformar-se e contratou o motorista de nome Peidão.
- Cuidado com a carrinha, podes levá-la para casa mas só a usas para o trabalho, - avisou no dia da assinatura do contrato.
O Citron continuava, já quase não cabia no carro devido à fabulosa musculatura, adquirida pelas inúmeras corridas e arremessos. Mas o Peidão era um rapaz muito ajuizado e compreendeu que o ajudante já não aguentava mais aqueles treinos intensivos e assim passou a levá-lo sempre até à porta dos clientes. Uma semana depois o Citron também se reformou e o Peidão ficou por sua conta e risco. E a tentação foi mais forte. No primeiro fim-de-semana transformou a carrinha em autocarro e foram todos passar a noite no “Maria Bolachas” na Praia das Maçãs e no regresso acendeu uma luz vermelha. Como a mecânica não era o seu forte, levou nesse estado a carrinha até casa, que ainda estava muito longe. De uma só vez ficaram os quatro no desemprego, incluindo a carrinha.

Thursday, May 07, 2009

O Comandante Guélas - Série Paço de Arcos - Como tu sabes…



-->

Comandante Guélas
 
Série Paço de Arcos

O dia do aniversário do Focas chegou e na vila de Paço de Arcos a agitação pairava no ar! Os lugares já estavam marcados no restaurante e a ASAE tinha passado a casa de pasto a pente fino, não fosse o Pontas ir servir atum do Jamor ao Mac Macléu Ferreira, filetes das Fontainhas ao Boa-Cara e polvo da Terrugem ao Proveta. A primeira surpresa da noite foi o avistamento do Serapitola, que parecia o Álvaro Cunhal em versão negativo. Tinha autorização para mastigar, mas falar nem pensar. O Cocciolo pediu o livro de reclamações para protestar contra as comemorações dos cinquenta anos do sobrinho do Isaltino, pois largara um masso de notas por meia dúzia de croquetes e um saquinho de favas fritas.
- Pensei que eram as entradas e para não perder a fome esperei a noite toda pelo jantar.
A um canto da mesa o Conan mantinha o recorde de cobrições, agora com os episódios de incontinência incluídos. Todas as semanas abandonava fêmeas da Costa do Estoril. De repente o telemóvel do aniversariante tocou:
- Allô Focas, aqui engenheiro Petroni.
- Engenheiro Petroni?!!! – Perguntou o Focas fazendo um zapping à memória das amizades, incluindo os defuntos, não conseguindo, no entanto, descobrir algum “Engenheiro Petroni”. – Deve estar enganado.
- Grande Focas vejo que já estás com esclerose, eu sou o Engenheiro Petroni e gamámos….crescemos juntos com figuras ilustres, como o Mocho, o Balatuca, o Pingalim, o Milhas, o Peidão, o Graise, o Velinho, o Pilas, o Maneleiro, o Marreco, o Xinoca, o Pontas, o Rato, a quem me esqueci de pagar o compressor…
- Pierre Pomme-de-Terre, já podias ter dito.
- Como tu sabes acabei engenharia, a minha filha anda no Britânico, como tu sabes…
E o Focas agravou o seu estado de espírito com esta aparição difusa e imprevista de um amigo do alheio. Como é que ele poderia saber do currículo actualizado do Pierre Pomme-de-Terre se o último que lera fora há 35 anos quando ele fugira para o Brazil com o diploma incompleto da Infantil (fugira da sala 4 depois de ter pedido emprestado os guélas dos colegas e a carteira da educadora Meca, para ir comprar “Gorilas” ao Kitanda), levando no seu encalço o chefe Bigodes e todo o seu pessoal, o padre no encalço das esmolas, o carteiro dos cheques dos reformados, obrigando a vila a dividir-se ao meio, uns para o engavetar e outros para o enterrar. O Pierre Pomme-de-Terre agora o senhor Engenheiro Petroni, representava um certo neo-romantismo amigo do alheio, que se tinha estabelecido entre o final do século XX e o início do século XXI. A vinda desta figura carismática paço-arcoense representava o regresso às fontes das tradições da vila, particularmente no que dizia respeito ao mítico cheque careca. A mesa em “U” agitava-se, havia quem tivesse perdido a tranquilidade. As carteiras começaram a ser guardadas e todos viram o senhor Rato a cravar, com raiva, a faca da carne no atum do Mac Macléu Ferreira, e tudo por culpa das recordações de um compressor trocado por um cheque careca do filho do marquês. E o engenheiro Petroni sabia disso, viu-se na resposta que deu ao aniversariante quando este lhe perguntou onde estava:
- Em Macau a fazer o projecto para as futuras Torres Petroni que vou erguer no lugar do Tino, com as fundações do próprio.
Com a vinda deste mecenas de sinal contrário vinha outro tipo de discurso, desta vez mais elaborado:
- Focas amigo, diz aí ao pessoal que eu agora já tenho outra “armadura estrutural”, no passado fiz muita “argamassa” que tenciono agora compensar com um “cálculo estrutural” à maneira, que “arquitrave” as “incrustações” do antigamente, prometendo um autêntico “baldrame”, estás a topar?
O Focas nem teve tempo de responder, pois o (in)desejado continuou:
- Não te preocupes, convido-te desde já para um almoço sem limites aí no restaurante onde estás a jantar, e tudo por minha conta, e explico-te detalhadamente o que disse em cima.
O Pontas, pelo “sim” pelo “não”, encerrou de imediato o estabelecimento e pôs trancas nas janelas.

Sunday, April 26, 2009

O Comandante Guélas - Série Paço de Arcos - O dia em que o Capitão arrumou as botas



Comandante Guélas

Série Paço de Arcos
 

-->
O tempo era de mudanças, a Velha Geração de jogadores formada na Praia de Carcavelos, com o esgoto a servir de linha lateral, estava a receber novos reforços, filhos, sobrinhos e amigos destes, que traziam uma nova dinâmica à modalidade, para pior, uma vez que esta juventude estava mais habituada aos copos sentados do que aos copos em pé, reflectindo-se estes maus hábitos na sua péssima condição física. E esta característica fazia toda a diferença neste tão popular desporto de “fim-de-semana com autorização escrita das mulheres”. Mas havia alguém que andava com a cabeça à roda por causa desta invasão de tenrinhos, aparecidos por geração espontânea. Eles tratavam-no com respeito, diziam “sim” aos seus convites para tertúlias em sua casa, mostrando serem muito diferentes da Geração Rasca dos pais e dos tios, como por exemplo o Chico Sá, que perguntava sempre aos amigos “Ouviste o eco?” de cada vez que a bola batia com violência no “bumbum” do Capitão. Os tenrinhos até o tratavam por “Tio Porão”! Ao aceitar o lanchinho do Capitão, o Tona revelava não estar com a lucidez necessária, nem nunca ter ouvido falar da história do “Capuchinho Vermelho”. Foi preciso passar algum tempo, deixar baixar a poeira, ganhar a distância, para que os amigos o confrontassem com a verdade. Este “inocente” convite do militar de Abril mudou para sempre a carreira futebolística deste jovem ingénuo e veio mostrar o fosso que separava aquelas duas gerações de “profissionais” da bola. O jovem careca não estava habituado a deparar-se sempre com um defesa adversário que protegia a sua área e a bola de costas viradas para ele. E tantas foram as vezes com que se deparou com um “bumbum” a convidá-lo para a luxúria que, tal como a Leonor do poema, acabou por partir-lhe a bilha, mais propriamente enganar-se e chutar no pé do velho, em vez de o fazer no esférico. Por momentos aqueles dois corpos, um tenrinho e o outro com caruncho, moveram-se, agiram, num único movimento sussurrante, tocando-se levemente no ar, num gesto que se aproximou dos outros coxos, com um virtuosismo técnico tão elaborado, que fez com que ninguém visse que o Milhas tinha tocado com as duas mãos na bola. O reencontro do Tona com o Capitão teve uma sensibilidade poética, que levantou a dúvida quando se deu o contacto do corpo rançoso com o solo e dele saiu um grito alucinante com diferentes interpretações:
- Foi um gostinho, – disse o Fininho.
- Deu o berro, – atirou o Chico Sá.
- Perdemos o guardião do saber e da memória de uma espécie de homem que um dia nos treinou para o Torneio de Futebol de 5 no Pavilhão de Paço de Arcos, – lamentou o Milhas, deixando cair uma lágrima.
- O Capitão é que se esborrachou, mas o Milhas é que está a delirar, – exclamou o Peidão.
- É falta do velho! – Sentenciou o único jogador lúcido, o Caramelo.
O caso não era tão simples e natural, tinha agora uma dimensão metafísica. A imagem do mais velho jogador de futebol de Paço de Arcos esticadinho no pelado, estilo bacalhau, iria ficar gravada para sempre nas memórias de todos, como um momento único, desarmante. Mas ninguém se apercebera das terríveis consequências, ao nível comportamental, que este espectáculo, simples e natural, iria ter sobre a Nova Geração. Dali para a frente tornaram-se diferentes. Fora preciso aparecer uma nova revoada de tenrinhos para atirar por terra e arrumar a excitante carreira futebolística do mais capitão de todos os capitães, a seguir ao Patrão Lopes. O dinossauro foi ao chão em decúbito ventral e por lá ficou no meio de estranhos movimentos de cobrição e dor. Quanto ao Tona, encontrava-se de pé debruçado sobre o ferido, sem saber o que fazer. A Velha Geração aconselhava-o, por gestos, a deitar-se sobre o moribundo, evitando que ele arrefecesse, e também como forma de compensação pelos danos sofridos. Mas o Capitão queria outro, o futuro médico e disse-o em estilo comando:
- Leva-me a casa!
Todos imaginaram a entrada do militar em casa ao colo do tenrinho, tal qual um par de recém-casados. A recusa do contemplado foi imediata e as atenções voltaram-se novamente para o Tona, que tentava escapulir-se da zona do acidente.
- Eu vim de mota, – desculpou-se, abrindo os braços.
- O ferido não se importa de ir sentado de lado, muito agarradinho, – esclareceu o Chico Sá.
Quem ajudou o Capitão a instalar-se no Mini e a desenrascar-se a partir daí foi o Choné, um jogador com uma perna-de-pau e uma careca maior e muito mais velha do que a do Tona. Quanto ao velho, não teve outro remédio senão pendurar as chuteiras junto às recordações de África, as caveiras de antílopes e as cabeças em pau-preto, com as cuecas do pelotão!

Monday, April 20, 2009

O Comandante Guélas - Série Paço de Arcos - Jogadores à beira de um ataque de nervos




Comandante Guélas

Série Paço de Arcos


A tradição cumpria-se com mais um jogo a chegar ao final sem a intervenção externa da campainha. Pela milésima vez o Chico tinha atingido a “redline” e queimara as juntas da cabeça, colando-se à sombra do Tio Fininho, que estava impecavelmente vestido com um equipamento preto de árbitro da “Sexta Divisão do Batatinha”, o célebre Abramobatata do campo de Vila Fria, vizinho da lixeira camarária. O estado de alma do Chico reflectia-se no fumo que lhe saia pelas orelhas e na cor avermelhada que lhe forrava a “fácies”. Estava próximo de um ataque de caspa! Ao longe o papá, impecavelmente vestido com um equipamento do Sporting, que incluía meias e chuteiras verdes do Quaresma, tentava trazer o filho para a realidade, sabendo de antemão que tal seria impossível, porque a gasolina que tinha bebido no Algarve quando foi ao gamanço com o amigo chinês, depois de terem demorado a noite toda a desmontar uma cadeira feita de tubo de plástico, entranhara-se nos genes, não havendo nada que conseguisse apagar o tal risco profundo que, em quase todos os jogos, colocava o pequeno-grande Chico à beira do precipício.
- Não lhe ligues, o Fininho é assim mesmo!
Mas nada demovia o colosso de estar colado à sombra do “tio”. O mal dele era ter ido para o curso de Logística da Escola Náutica. Desde esse momento o Tio Fininho tornara-se muito exigente com os estudos do “sobrinho emprestado”, um rapagão que trocara os livros pelos copos, fazendo-lhe interrogatórios massivos sobre o comportamento da “Carreira 22”. Pelo meio ia-lhe agradecendo os golos que teimavam em entrar na baliza da equipa de que o colosso fazia parte, tendo como companheiro o inebriante Milhas, que teimava em dar orientações tácticas desde que o apito assinalara o início da partida. E no calor da discussão ninguém se apercebeu da saída intempestiva do careca de meia-idade de nome Jorge, que tinha atingido o prazo de jogabilidade, em virtude de ter sido traído pela “claustrofobia por espaços vastos” que o impedia de respirar, compensando o défice com escarretas fininhas. Pelo meio o filho do Vaca Prenhe interrogava o Pequeno Polegar, de nome de guerra Biblot, sobre os motivos que o levavam a ir sempre disputar as bolas altas nas Grande Áreas. Mas o assunto da jornada era a grandiloquência do Chico, que teimava em Rosnar junto ao “tio”, enchendo-lhe o fatinho de perdigotos, e isto o jogador Fininho não tolerava:
- Não me diriges a palavra com a boca cheia de azeitonas, – indignou-se o jogador com equipamento de árbitro, apontando um indicador ameaçador ao “Colosso das Palmeiras”.
E nisto uma bola tresmalhada passou a rasar a cabeça do Milhas. Tinha sido o Rubi, que ainda não se apercebera que o jogo estava em “pausa”.

Wednesday, April 01, 2009

O Comandante Guélas - Série Paço de Arcos - O “Caso Ramalho”



-->
Comandante Guélas

Série Paço de Arcos

Quando o Peidão entrou na praia de Carcavelos na sua Yamaha 50 Mini-Enduro, tirou o penico de aviador que levava na cabeça e foi de imediato chamado por um agente da GNR que estava junto ao restaurante “O Narciso”.  Resolveu não fugir, como habitualmente, e a atitude de cidadão exemplar custou-lhe um belo dia de praia. Esperava que os agentes da autoridade tivessem acordado com "bom-senso", mas enganou-se! Foi de imediato acusado de ter vindo de casa com a cabecinha ao léu e por isso, contra a corrente que grassava no país, iriam aplicar a lei. Mas não contavam com a reacção do cidadão de nome Peidão: trazia na carteira uma bomba atómica!
- Se este senhor pode andar à boleia numa mota da GNR sem capacete, eu também tenho esse direito, estamos em democracia.
A foto da revista foi aberta e ficou escancarada para os agentes da autoridade e para o povo, que normalmente nestas ocasiões festivas aparecia sempre de geração espontânea. O documento exclusivo do Peidão mostrava o Presidente da República, o Ramalho, a transgredir a lei, ainda por cima com a cumplicidade da GNR. O guarda ficou estático e sentiu o bafo do povo atrás de si, que se aproximara para ver a fotografia. Houve risos e comentários de reprovação, afinal tinham votado num fora-da-lei.
- Montagem, isso é uma montagem, - acusou o mais graduado. – Vou passar-lhe uma multa por difamação.
- “Difama” quê? – Perguntou o outro.
- Este cidadão está a insultar o Comandante Supremo da Nação - sentenciou, olhando de cima para baixo.
A assistência estava ao rubro, a autoridade já era confundida com os artistas do Circo Palitó. E tudo se agravou quando tentaram tomar posse administrativa do documento, que desapareceu no meio do povo
- Esse polícia que está na fotografia é falso,  – gritou um dos agentes, apontando um dedo acusador ao réu.
- Quantos são vocês na GNR? – Perguntou o caluniador do cidadão de nome Ramalho.
- Para aí uns quinze mil, – respondeu o agente, que era parecido com o famoso guarda Ricardo.
A risada foi geral, o povo aplaudiu o desempenho irrepreensível do pessoal do Circo Palitó.  A autoridade viu-se obrigada a tomar medidas. Definiu um perímetro de segurança, abriu o livro de instruções para multas rodoviárias, e depois de muito soletrar, “difamação” nem vê-la. Foi necessário contactar com a central.
- Alô, alô, aqui 24 chama a central, escuto.
Respondeu-lhe um ruído semelhante a um ressonar. Insistiu.
- Alô, alô, aqui 24 chama central, escuto.
Desta vez o ruído assemelhava-se ao de um balão a esvaziar. O povo tornou a aplaudir, a situação estava a ficar incontrolável.
- Temos de nos deslocar para uma zona mais aberta, - informou o chefe. – O senhor vai ter de nos acompanhar.
Uma BMW 750 à frente, uma Yamaha 50 Mini-Enduro no meio e outra BMW a fechar. Todos a 20 Km/hora, assim os obrigou o cidadão Peidão, alegando que a mota não dava mais. Os heróicos agentes da GNR foram obrigados a ir com as botas a arrastar pelo alcatrão, porque àquela velocidade tinham de ir em primeira e aos solavancos. Quanto ao povo, despediu-se acaloradamente dos animadores de praia.  A caravana parou na zona do Motel, junto a uma cabine telefónica. Mas surgiu um problema. O único que tinha trocos era o arguido, que não tencionava gastá-los com os agentes da autoridade. Até que surgiu, também de geração espontânea, um individuo numa Casal Boss 50, que se aproximou em alta velocidade, e rodeado de uma nuvem de fumo, do trio, identificando-se de imediato como agente da PSP de Oeiras. Foi posto ao corrente do crime e aproveitou para mostrar que era muito mau.
- Se quiserem tenho lá uma cela para ele, - gritou, atirando uma baforada de fumo contra aquele que ousara pôr em causa a honestidade do homem que enfrentara, uns meses antes, em posição de forcado em cima de um tejadilho de um carro, uma turbe de chaparros que disparava pistolas de fulminantes .
O reforço acabou por ser útil nos trocos. Quando a central foi posta ao corrente da situação, o cabo levou de imediato um cartão vermelho por andar armado em intelectual, e não se ter reduzido à sua condição de GNR com a 4ª classe. A infracção era por falta de penico e a multa era essa. O resto era estar a faltar às suas obrigações, que eram patrulhar a Costa do Estoril. Escusado será dizer que o papel unicamente serviu para o habitual, já que a partir de Junho só os otários pagavam as multas, como era tradição.

Friday, March 20, 2009

O Comandante Guélas - Série Paço de Arcos - Férias de Verão – Abromobajoulo



Comandante Guélas

Série Paço de Arcos

O Verão no Algarve consumia cada vez mais dinheiro e por isso era necessário arranja-lo, pois as férias grandes eram mesmo grandes. O Bajoulo conseguia passar um mês inteirinho ao Algarve, sem interrupções, com uma nota de mil escudos e regressava a Paço de Arcos mais gordo, estilo leitão de Barrancos, trazendo ainda cinco mil na carteira. Era o dois em um, nas boites namorava e abastecia-se. Naqueles saudosos anos pós-revolução havia mais alemãs com pulgas por metro quadrado do que Ctenocephalies felis felis sozinhas e o Bajoulo estava em vantagem em relação aos suínos que elas traziam, pois ele era produto nacional e falava fluentemente em alemão. E as meninas bebiam no mínimo vinte cervejas, só para aquecerem. Por isso caíam-lhe todas no regalo, deixando as malas descuidadas. Este adolescente anafado já era muito avançado para o seu tempo, pois só se abastecia nestes Multibancos germânicos. Os desvios eram vários, longos e metódicos. Numa primeira fase conferia a forma e a localização da carteira, na segunda fazia os ajustamentos corporais necessários, que incluíam a aproximação e a distracção da fêmea com modos corteses e medidos, e na terceira preocupava-se com os pormenores, ou seja, a abertura do fecho e a localização das notas. Todo este ritual demorava tempo e exigia muita gramática, o Bajoulo falava da vida como se contasse um segredo. Mas tinha uma ética e por isso mostrava sempre o maço de notas aos amigos e pedia-lhes a opinião da quantidade aceitável, tudo isto em mímica e ao mesmo tempo que namorava com a turista.

Monday, March 09, 2009

O Comandante Guélas - Série Paço de Arcos - Abromobatata




-->
Comandante Guélas
Série Paço de Arcos

Ainda o Abramovich andava de fraldas e já o pai do Pierre-Pomme-de-Terre tinha uma chata com cabine feita de lona comprada nos ciganos, a quem ele chamava Iate. Como em Paço de Arcos todos o conheciam, a feira das vaidades rumava a Sul, mais precisamente para o Algarve. No início das férias o rebento ficava sozinho em casa a “estudar” para os exames, ou seja, a desviar umas librinhas de ouro para os gastos. E num dos verões apareceu um problematizo adicional: o arranjo do descapotável do chulo do Pimenta, com que haviam marrado numa parede! Durante vários dias o Bajoulo e o Batata tinham impressionado o Pica (o café) com o potente cabriolet que, de cada vez que arrancava, dobrava a meio, dando sempre a sensação de se ir dividir em dois a qualquer momento. O majestoso Iate dos Batatas, o “Pirolito II”, estava estrategicamente fundeado na praia mais “in”. Em terra davam-se os últimos retoques para a cena, os papás Batatas colocaram os derradeiros emblemas com motivos do mar, âncoras e búzios, para dar a impressão de várias voltas ao mundo ao leme do “Pirolito II”. Na cabeça do chefe morava um chapéu digno dos melhores lobos-do-mar e na tola da esposa uma espécie de toldo, a imitar as mais finas castas inglesas. No barco, vindo expressamente de Paço de Arcos na noite anterior, depois de se ter desenvencilhado das libras no “Dobrão”, Pierre-Pomme-de-Terre esperava pelo sinal que viria de terra. O papel que lhe tinha sido atribuído era o de paquete, que iria a terra numa chalupa buscar os patrões, para irem almoçar a bordo. Quando a praia ficou cheia com as famílias mais importantes de Lisboa, o papá tocou a corneta, comprada numa das bancas da feira de verão que estava junto à estátua do Patrão Lopes, e o marinheiro fez-se ao coco, ao mesmo tempo que os patrões se dirigiram para a beira-mar. O encontro foi digno dos melhores filmes de Hollywood, os magnatas Batatas estavam mais brancos do que o próprio OMO, uma brisa marítima fazia ondular o vestido voluptuoso da dama, enquanto que o chapéu à Comodoro dava um ar imponente à figura do Pomme-de-Terre Sénior. O coco atrasou-se um pouco, como tinha sido decidido no guião, para que a praia tivesse direito a apreciar um fenómeno ainda muito raro naqueles anos, mas rotineiro nos dias de hoje. O Batata chegou com uma remada digna das melhores caravelas, saiu em salto, tal como um felino, mostrando à populaça o seu belo fatinho à marujo e atirou ao papá, agora no papel de capitão Haddock, com cachimbo e tudo, uma soberba continência igual às dos filmes da Segunda Guerra. O patrão agradeceu e entregou-lhe a mão da marinheira, para que lhe desse apoio no embarque. Quando estava tudo a postos, o marujo Pierre-Pomme-de-Terre deu uma remada tão brusca, que fez a chalupa dar uma volta de 180 graus, que a colocou de quilha para o ar e sentou os papás no fundo do mar!