miguelbmiranda@sapo.pt

Monday, April 23, 2007

Camarada Choco 46 - Silêncio, ia-se cantar o fado !


                           Camarada Choco
                                          Aventura 46
 
- Mil?! O Salão Nobre dos Bombeiros só dá para mil ?! – Perguntou uma das afilhadas da tarde, a candidata número um ao lugar da Madrinha, a Afilhada Fotocópia.
- Chega ao décimo otário e as inscrições acabam – atirou a pequena, mas atenta, Lolita e afastou-se em passos em rápido.
- A única coisa que sei é que saíram da sala 15 pintos e 8 galinhas, e dinheiro nem vê-lo, - lamentou-se a Dona Pilca, atirando mais uma vez a agulha para cima de uma pobre galinha, feita com os restos das últimas cuecas do Choco.
- Mas eu estou aqui a falar de CULTURA e você a debitar assuntos do galinheiro. Mil lugares é pouco para a surpresa que estou a preparar para a Madrinha. E ainda por cima com caldo verde, chouriço do “Lidl”, Pão Torrado dos chineses e acima de tudo Couve da Brandoa, para dar um ar chique à festa. Vai ser o dia da minha consagração aos olhos do Poder, como angariadora número um para a nova mama….perdão…..a nova Unidade Hoteleira. A Nova Geração nunca me ultrapassará !
- Galinha, a Galinha, se chega à Madrinha, - disparou a Lolita, desaparecendo na sombra.
- Já estou a ouvir os sons das guitarras a ecoarem pelo Pavilhão Atlântico, o Caldo Verde a excitar as línguas dos ouvintes e as Couves da Brandoa a forrar as almas dos artistas.
- Gases, isso são é gases, - disse a Lolita, esfregando as mãos.
- Sou ou não sou um génio, Pilca ?
- Quinze pintos e dez galinhas, e a massa, nem vê-la ! – Queixou-se a senhora de meia idade, remexendo no caixote de lixo, não fosse algum garnizé ter fugido.
- Ó mulher, mas estou eu aqui a falar de Cultura e a senhora só se preocupa com ninharias ?!
- É melhor uma galinha na mão, do que dois fadistas a voar ! – Cuspiu a Lolita.
Mas o pensamento da Afilhada Fotocópia já estava noutra dimensão, ao nível duma alucinação visual, em que se via a agradecer à multidão, que enchia o Pavilhão Atlântico. Mas, numa olhadela mais atenta, todos tinham a cara do Cabo Pilas, o único otário que tinha pago o bilhete. A Afilhada Fotocópia corria então em direcção à caixa das esmolas e deparava-se com o dinheiro do militar, em escudos. E quando os olhos se viravam de novo para a assistência, os Pilas esfumavam-se, e ficava somente o original. Entrava então no palco o Pitrongas, acompanhado pelo Choco, com uma guitarra chinesa sem cordas, e começava a festa:
- Eu já fui ao…..e ele deu-me…..foram duas e três, todas duma vez.
Na plateia era servido o Caldo Verde, vindo directamente das entranhas do Monga mais chinês da Escola, tal como aconteceu na aventura número vinte e um. No exterior, junto ao povo, a Dona Pilca e a Menina Tatrícia vendiam alegremente as suas soberbas Galinhas e os seus Pintos atrevidos, tendo os bolsos a abarrotarem de euros, tendo junto a elas a Madrinha e dar-lhes beijinhos e a coçar-lhes as costas.

- NÃOOOOOOOOOOOOOOOOOO……….., isto não me pode estar a acontecer. Uma Doutora com Canudo não pode ser ultrapassada por meia dúzia de Pintos e umas tantas Galinhas?! Juro pela vida dos mongas que os fados vão ser cantados.

(Entretanto, algures numa habitação, uma utente acabava de terminar o curso e rumava agora para uma vida melhor.)

- São gases, - diagnosticou a Lolita , a única que conservava ainda o juízo que Deus lhe dera.

Tudo foi interrompido pela Doutora Sem Canudo que avisava pela chegada da televisão e pelo início das filmagens:
- Quero todos os trabalhos dos nossos queridos desaparafusados na Sala de Visita da minha Afilhada da Tarde, a número dois.
- Mas de momento só estão disponíveis as Galinhas e os Pintos da Dona Pilca e da Menina Tatrícia, - informou a Afilhada Fotocópia.
- É única coisa que há. O pessoal aparafusado é pouco e os desaparafusados estão todos reformados desde que nasceram - informou a Lolita.
- As senhoras da capoeira vão todas para a Sala das Porcas dar milho aos pombos e no local das filmagens só permanece o pessoal do canudo, - ordenou a Dra. Sem Canudo, compondo a mesa e iniciando o discurso. Todas estas aves foram feitas pelos desaparafusados, com o acompanhamento pedagógico das minhas queridas afilhadas…perdão…especializadas. Como podem ver, a criação é toda diferente, as Galinhas estão mais viradas para a Didáctica e os Pintos gostam muito de Pedagogia!