miguelbmiranda@sapo.pt

Thursday, August 16, 2012

O Comandante Guélas - Série Colégio Militar 14 - Um dia na vida do 3º E do Ano Letivo 1973 / 1974


Comandante Guélas
Série Colégio Militar

Parte 2


Enquanto decorria o primeiro intervalo da manhã, o ajuntamento era no cubículo do funcionário, que aproveitava o internamento longo dos alunos para fazer negócio, vendendo-lhes todo o tipo de guloseimas, trazidas clandestinamente do exterior. Mas tinha de estar sempre com “um olho no burro e outro no cigano”. E neste dia distraiu-se. O 191 (Peidão) escolheu um bolo mais distante, e quando o funcionário virou costas tirou-lhe um queque. Foram dois pelo preço de um, promoção impensável naquele ano distante de 1973.
Quando a corneta soou o 3º E formou rapidamente, pois o Minhoca (280) passara de balda a aprumado desde que fora nomeado Chefe de Turma, depois da recusa do 191 (Peidão) e do 485 (Micróbio, Pitosga ou Magoo conforme a fonte), e resolvia todos os problemas disciplinares, como era tradição, ao biqueiro. E ele tinha um remate poderoso! A próxima aula era de Português, e para agravar a situação havia teste escrito. O velho professor Ferreirinha, mais conhecido como Ferrari, veio mal disposto, e pior ficou quando a turma resolveu encostar as carteiras umas às outras, para poderem cabular melhor. Os últimos das cinco filas foram assim encostados à parede do fundo: o 668 (Peida Gorda), o 607 (Six), o 384 (Leitão), o 300 (Elefante) e o 156 (Bicuda).
- Querem brincadeira? – Ameaçou o Ferrari aproximando-se do 307. – Mostra-me o T.P.C.!
- Não fiz, - respondeu o Escalope.
A orelha do aluno foi de imediato atacada pelo professor Ferreirinha, que a torceu, devagar, devagarzinho, como já era habitual.
- A vossa sorte é que eu não trouxe a caderneta.
As carteiras voltaram à posição inicial e os testes começaram a ser distribuídos. Quando ia a passar pelo Elefante (300) viu-o a mastigar e quis saber o que era.
- Não professor, eu guardo-a aqui, - e apontou.
O professor Ferreirinha nem queria acreditar no que via: uma praga de pastilhas elásticas coladas debaixo da carteira.
- Seu porco, não sabe o que é o caixote de lixo? – Perguntou já com a orelha do 300 (Elefante) torcida entre os dedos.
- Ponha-a aqui na minha mão.
E espalmou-a de imediato na cabeça do aluno. Mas foi distraído por um coro de “é,é,é,é”, e todos a olharem para o Horrível. Era a nova brincadeira, mesmo com a avaliação a decorrer. De cada vez que o 125 tirava as cábulas do bolso todos gritavam, obrigando-o a devolve-las aos fundilhos apressadamente. Tirando este pequeno detalhe, o resto do tempo passou sem mais incidentes de relevo. A corneta tornou a tocar e todos saíram apressadamente, correndo desenfreados para o cesto do “reforço” da manhã, entrando em mergulho na cesta. Iam agora transitar para a aula de Educação Física, cujo ginásio se situava no topo da colina. E como a disciplina estava dividida por grupos de nível, aqueles que iam ter aula com o tenente Dario já sabiam que não poderiam chegar atrasados. Quando saíram do pavilhão deram de caras com os soldados que levavam o almoço para a sala dos oficiais nos claustros. Deu-se então uma emboscada, eles tinham as mãos ocupadas com as travessas, que iam tapadas, e a única reação eficaz foi fugirem. Chegaram ao destino com falta de filetes, o Semita iria comer menos. Lá para os lados da sala do padre Carioca, responsável pela musicalidade do batalhão, cruzaram-se com a Rosa. Como do costume houve troca de piropos, e à noite iriam ser as cuecas que pagariam este encontro imediato. Logo de seguida apareceu, vindo de cima, o filho dum tenente que residia no colégio montado numa bicicleta. Nova emboscada, seguida da fuga do petiz em direcção ao gabinete onde pensava estar o pai. Houve “cavalinhos”, “ciclocross”, “saltos” e outras coisas mais, até que o pneu da frente mudou o formato de “zero” para “oito”, sendo o veículo abandonado junto da sala do canto-coral, cuja porta sofreu vários biqueiros, acompanhados pelo grito de guerra do costume: “ó Carioca lambe-me a …..”! Mas naquele dia tudo acontecia. Agora era a vez do trator com caixa aberta que ia em direcção ao curral e ao aviário, conduzido pelo senhor Nunes, um funcionário com cara de poucos amigos. Tudo a correr, e tudo pendurado, e eram tantos que a máquina se recusou a subir. O condutor bem gritou para saírem, mas ninguém obedeceu. Parou, saiu a correr para enxotar as moscas fardadas de cotim, ao mesmo tempo que os insultava com todos os nomes possíveis e imaginários, mas a única coisa que aconteceu foi uma corrida conjunta à volta do veículo. Regressou furioso para os comandos e lá acelerou para o topo da colina, com a mesma carga, que foi entrando à medida que arranjava espaço. Cruzaram-se com outro funcionário, que ia montado na sua bicicleta e o 601 (Gordini) gritou:
- Ó Miranda, tens o cu à banda!
Mas um pouco mais acima estava o vigilante Xavier à espera da turbe, pronto para lançar a mão a um deles, e encaminhá-lo directamente para o Oficial de Dia. Mas não teve sorte, fugiram todos pelo campo de futebol.

No comments: