miguelbmiranda@sapo.pt

Saturday, August 11, 2012

O Comandante Guélas - Série Paço de Arcos 55 - O Canivete Suíço


Comandante Guélas

Série Comandante Guélas

O senhor Tolas Monas era um “paçoarquiano” dotado de uma cabeça fora do comum que, devido a essa anomalia genética, se julgou sempre no direito de reclamar para si várias licenciaturas, tiradas algures numa Independente qualquer. Consoante o local onde se encontrava, ora se intitulava Doutor, ora Arquitecto, ora Engenheiro, apesar de a última vez a ser visto na Escola tivesse sido em 1975, a tentar acabar o 2º Ano do Curso Complementar dos Liceus, tudo à conta das passagens administrativas, facto muito comum no ensino dessa altura. Aliás, muitos dos doutores que andam hoje em dia por aí a dizer mal dos putos, foram aqueles que se safaram à conta dos tempos da balda geral do pós-25 de Abril, e muitos deles hoje em dia ainda nem acreditam como é que conseguiram obter os canudos, e de cada vez que os mostram aos filhos, para os incentivar a estudar, ficam atónitos. Mas a versão que contam é que no tempo deles o Ensino era muito exigente e até se fartavam de ter Exames Nacionais, omitindo que as provas geralmente estavam disponíveis uns dias antes, fruto de gamanços bem sucedidos. Situado o senhor Tolas Monas no universo mágico da inigualável vila de Paço de Arcos, passemos à acção. Este “paçoarquiano” tornou-se assim um adulto multifunções, um autêntico “canivete suíço existencial”, que estava sempre em todo o lado e em lado nenhum. Se aparecesse alguma oportunidade para o negócio, lá estava o Tolas Monas com o letreiro ao pescoço a dizer que era “DOUTOR”. Até que um dia resolveu comprar um Bar, à entrada de Paço de Arcos, e contratar o Bajoulo para servir uns copos. A ideia não foi das melhores, como se vai ver daqui para a frente. Quando o estabelecimento encerrava ao público, abria de imediato para o Gang na modalidade de “Bar Aberto”. Se algum cliente se demorasse um pouco mais para além do horário legal, o Gang simulava uma cena de pancadaria entre os seus membros, e era vê-los a fugir em pânico pela rua fora, com medo de serem envolvidos no meio da confusão. Então o Bajoulo trancava a porta e dava-se início ao “self-service” e aos telefonemas para as esquadras da PSP, pois a essa hora da noite era certo e sabido que estavam todos a dormir. O Gang até já tinha uma lista completa de todos os locais e dos nomes dos respectivos dorminhocos.
- Esquadra da PSP de ….? – Atendia o agente, bocejando.
- Chame-me o Chefe Silva.
- O Chefe está a dormir…a fazer uma diligência. Quem fala?
- O Comandante Antunes de Lisboa.
- Comandante Antunes?!! Um momento, eu vou ver se ele já acabou o serviço.
Telefone no descanso, mal tapado com a mão, permitindo o acesso ao falatório “off de record”.
- Júlio, vai chamar o Chefe e diz-lhe para vir ao telefone.
- Acordar o Chefe?!! Mas ele fica com mau feitio quando o acordam.
- É o Comandante Antunes de Lisboa!
- O Comandante Antunes? Então deve ser uma emergência.
E ouviam-se uns passos a correr para lá e segundos depois vários passos a acelerar para cá.
- Tou?
- Então ó Silva, estavas a dormir no serviço? É para isso que te pagam?
Silêncio ensurdecedor.
- Cabrões, – gritava o Chefe desligando o telefone com raiva.
Nova chamada, nova corrida.
- Esquadra da PSP…?
- Chame-me o Chefe Tremoço.
- E quem é que quer falar com ele?
- Comandante Narciso.
- Comandante Narciso?!! Não conheço!
- Comandante Narciso do Comando Operacional do Continente,…. – etc., etc., mais umas tantas frases para impressionar. – Estou a falar com quem? – Voz zangada.
Silêncio, seguido de uma pergunta em “off”, audível.
- Ó Jaquim, conheces algum Narciso do Comando Operacional?
- Narciso? Não.
- Quer falar com o Chefe Tremoço.
- Acorda o Chefe e não levantes problemas.
- Um momento…Comandante.
- Tenho pouco tempo e muita urgência, – disse o Graise com uma voz rude.
A cena repetiu-se, a correr para lá e em alta velocidade para cá.
- Desculpe Comandante, estava numa diligência.
- Estavas era a dormir, ó Tremoço!
- Quem fala?
- Uns cidadãos indignados com os chuis deste país que estão todos a dormir durante o serviço.
Pausa no diálogo.
- Fosga-se, – reclamou o Chefe dorminhoco, desligando o aparelho.
E era assim durante toda a noite, ininterruptamente, com “bejecas”, pipocas e sandes mistas pelo meio, até acabar o “stock” do dia e o João Pestana vir buscar estes adolescentes pós-revolução.

No comments: