miguelbmiranda@sapo.pt

Friday, June 22, 2012

O Comandante Guélas - Série Colégio Militar 9 - Cavaleiros da Luz



Comandante Guélas

Série Colégio Militar



Um número, uma alcunha e uma arma, eram estas as três peças fundamentais do enxoval do Colégio Militar. As duas primeiras ficavam para sempre tatuadas na alma do aluno, mas a última era efémera, mais ano menos ano iria ser esgalhada por outras mãos. Mas para que fossem eternamente Meninos da Luz teriam de ser armados cavaleiros, tal como fizera D. Filipa de Vilhena uns aninhos antes na noite de 30 de Novembro para 1 de Dezembro de 1640 aos seus dois filhos, dando-lhes as espadas do pai e do avô. Os alunos mais novos, os ratas, iriam assim receber, segundo a descrição oficial, “os saberes dos mais velhos”, numa cerimónia a realizar na zona mais nobre do colégio, o Zimbório, mais conhecido por claustros. Era um local de rituais, uma espécie de Stonehenge, onde também já se cumprira o apertão do mais minorca, dado pelo Comandante de Batalhão ao aluno mais pequeno, conhecido como o “batalhãozinho”, que na nossa altura ostentava o número 121 (Pejó), e conseguia ser mais baixo que a sua Manelican, e assim permaneceu durante um longo reinado, sendo depois ultrapassado pelo Cuecas de Buda (45), nunca se sabendo se foi porque comprou sapatos com tacão, ou se os bifes de cavalo o fizeram aumentar uns milímetros.

E foi precisamente aí, na véspera do 1º de Dezembro, que o Leitão (384) gritou “Feio”, quando viu o professor careca de história e geografia a passar nos claustros, tendo apanhado desprevenidos os colegas que tentavam arrombar a porta onde o funcionário guardava as bolas de Berlim que iam ser distribuídas no reforço da manhã. A fúria do docente foi tal, que desatou a correr pelas escadas acima e deitou a mão ao primeiro estudante que viu, neste caso o Elefante (300), que estava sentadinho a fazer as cábulas para o teste do Semita, que ostentava o nome Grijó no B.I., e que costumava contar aos seus alunos que quando tinha a idade deles cuspia no pão que levava para a escola, para que os colegas não o comessem. Os claustros eram grandes, muito grandes, e em cada ponta gritava-se “Feio”, “Feio” e mais “Feio”, e o mais sensato era o “Feio” sair dali enquanto podia, pois o cerco aproximava-se, e o professor careca arriscava-se a um “ramalho”, um ritual reservado para os dias de anos, mas que na prática servia para todas as ocasiões festivas. Seria agarrado pela cabeça, obrigado a curvar-se, enquanto os outros lhe dariam toques nas costas com os cotovelos, ao mesmo tempo que cantariam, “ramalho, ramalho, ramalho és tu, vai chamar ramalho ao olho do cu”. Mas o Feio teve bom senso e fugiu!
A vítima seguinte foi o professor Pequito. Quando se preparava para ditar o sumário foi amassado por um coro de gritos estridentes, não tendo conseguido descobrir os autores, porque toda a turma estava com os tampos levantados. Acabou por acusar o único aluno interessado em aprender francês, e cuja intenção foi mesmo ir buscar o livro às entranhas da carteira: o 69 (“o número mais vergonhoso do Colégio Militar”, segundo dizia o 125, o Horrível)! Caso não provasse a sua inocência, arriscava-se a descer uns pontinhos na “Escala de Comportamentos”, uma modernice introduzida pela revolução, que tinha substituído a “obsoleta” pena de detenção de fim-de-semana, cuja duração foi curta porque insistiam em deixar os pioneses ao alcance dos rapazes, fazendo apelo ao seu sentido democrático, o que levou a que o Peidão (191), o Zécarias (666), o Gordini (601), o Coiote (95), o Peixinho (591) e outros bons rapazes, passassem da red line para o verde vivo, enquanto o exemplar 69 (que mantinha os braços à altura dos ombros durante todas as inúmeras marchas diárias, mesmo levando biqueiros consecutivos no traseiro, e foi dos raros que levaram para casa todas as medalhas disponíveis) estava sempre com o pionés no zero, e o tenente Cuequinha à beira de um ataque de nervos!
Noutro canto do colégio o professor Grijó, que já há muito tempo tinha estacionado o  Volvo 130 azul junto ao pavilhão de Desenho e Trabalhos Manuais, dava por encerrada a oral de Química:
- Moçoo, sabes andar de bicicleta? – Perguntou, ajeitando com a mão o cabelo amarelado.
- Sei, - respondeu o Peida-Gorda (668), já antevendo os oito valores.
- Então vais levar uma bicicleta – disse, com a voz rouca que o caracterizava, e continuou. – Ó moço, tu não tens memória, tu tens uma vaga ideia.
Mas muito iria acontecer antes de passarem a ser, para todo o sempre, os “Cavaleiros da Luz”. Como de costume as armas foram distribuídas na véspera, e cada um levou a sua para a camarata. À noite havia combates corpo a corpo com baioneta,  Manelicans a fazer a vez de espadas e almofadas transformadas em escudos. Brincava-se à séria, com gosto, nunca ninguém se magoou, mas se alguma coisa acontecesse havia sempre a Enfermaria e a eterna aspirina de prevenção. À noite houve “Pinturas”, e muitos nem dormiram com a emoção. Não havia tempo nem para traumas, nem para esgotamentos.
O pico das comemorações deu-se quando os graduados se aproximaram dos “ratas” (o equivalente aos noviços nos conventos) e, sacando-lhes para fora as baionetas, tocaram alternadamente nos ombros, ao mesmo tempo que diziam, segundo as fontes oficiais, "armo-te cavaleiro para que, com este sabre, sejas sempre vencedor e nunca vencido", mas que na prática tinha sido um pouco alterado para “armo-te cavaleiro, puto e paneleiro”!














 

No comments: