miguelbmiranda@sapo.pt

Friday, November 30, 2012

O Comandante Guélas - Série Colégio Militar 25 - Sissé


Comandante Guélas

Série Colégio Militar


No colégio todos tinham um número, a que a maioria acrescentava uma alcunha, mas aquele era grátis caso conseguissem passar nas provas de admissão, enquanto que esta só aparecia após algum empenho. O tema da aula era o Antigo testamento, o comportamento da turma estava, como habitualmente, próximo do caos, e o padre gritava:
- Silêncio, silêncio…muita atenção, só faço a pergunta uma vez - e continuou. – Quem é que nasceu em Belém?
Um silêncio profundo abateu-se sobre a turma, ninguém ousava responder, sentia-se a tensão no ar, tudo podia explodir a qualquer momento, até que:
- Foi o Zacarias!
O padre gorducho olhou para o pupilo que estava no fundo da sala e gritou furioso, apontando para a porta:
- Zacarias, rua.
Entrou 666 e saiu com uma alcunha, cuja versão atual equivale a uma tatuagem! Nas pinturas de 1975 houve uma novidade, o aluno 361 foi pintado de branco, contrariando a clássica cor preta usada para decorar todos os outros colegas. Sissé trouxe assim outro tom para o caucasiano Colégio Militar, tínhamos agora um camarada mano. Cedo revelou ter uma fixação por Parkers, iniciando logo ali uma colecção, que começou com a dele e foi enriquecida com a dos outros. Diziam ser filho de um “Flecha Negra”, as tropas especiais do 33 na Guiné, que chegaram a marchar com o Batalhão Colegial, na altura em que lhe deram a GOTE, numa cerimónia que decorreu no campo de futebol, sob um sol tórrido, e muitos desmaios a condizer. O camarada-mano 361 trazia consigo um conjunto de mitos, dizia-se que o pai era um colecionador compulsivo, não de canetas como o filho, mas das orelhas dos inimigos. Cedo revelou ter algumas dificuldades de adaptação ao método de ensino colegial, mas nisso não era o único, que levavam os professores à beira de um ataque de nervos:
- Eh pá, este desenho está mais feio do que a ponta da teta de uma preta, - disse o Alcatrão, já perto do fim da aula, acendendo o décimo cigarro com a beata do anterior, que alinhou com as outras na parte da frente da secretária.
- Moçooo, sabes o que é um Jericoacéfalo? É o que tu és, um burro sem cérebro, - e o Semita deixou cair o ponteiro no coco do mano, tradição colegial da justiça sumária que castigava sempre bem, pouco e no princípio, para nunca se ter de castigar mal, muito e no fim, como nos tempos que correm.
 - Bai-te lá sentar, - gritou o Menau, - tu és a desonra dos valores essenciais da república portuguesa, um atentado à razão.
Até o pacífico professor Perdigão, cuja frase preferida era “quanto mais sei, mais sei que nada sei”, e que todos os dias desafiava as leis da física com o seu Datsun 120Y cheio de mossas, ia aos arames com a ignorância do Sissé:
- Explica à turma os efeitos visuais do caroteno.
 O 361 levantou-se, como mandavam as regras, e disse:
- Quando a minha mãe põe os tomates ao sol, -  foi interrompido pelo riso geral da turma, e a sentença do docente:

- És um calhau com olhos!

O Sissé era um aluno pacífico, mas dizia o bom senso para não se meterem com ele. Numa sexta-feira à noite a vontade dos colegas para jogar uma peladinha foi tão grande, mas bola, nem vê-la. Depois de uma busca organizada deram de caras com a do camarada-mano, e apropriaram-se imediatamente do esférico, uma tradição que contrariava o discurso oficial de que naquele espaço educativo para eleitos, “furto” era uma palavra que não pertencia ao léxico colegial, porque como os gatunos eram de boas famílias não roubavam, descaminhavam-se, por isso no Colégio Militar somente nos descaminhávamos, à grande e à francesa, daí a razão para a existência das firmezas, a banalidade do mal. Porque o plástico do esférico tinha uma consistência chinesa, a dita do Sissé só durou uma ínfima parte da esgalhação. Devolveram-na em farrapos ao local do crime e foram dormir alegremente. O 361 ficou no colégio durante o fim de semana, e quando quis ir brincar com o que era seu, deu de caras com um objecto disforme, sentindo de imediato o fluxo sanguíneo dilatar-lhe as veias, os movimentos cardíacos e respiratórios acelerarem, os músculos contraírem-se, a boca entreabrir-se, o rosto ruborizar-se, mesmo sendo incapaz de ver o fenómeno no reflexo do espelho, e os dedos grandes dos pés revirarem-se. Nessa noite quando fechou os olhos foi assaltado por encantamentos, feitiços e êxtases, perdeu a noção do tempo e do espaço, prenuncio de que algo muito sério iria acontecer. Na segunda-feira todas as bolas da primeira companhia tinham as marcas de um canivete, exceto a dele que transpirava saúde. 

2 comments:

Rui Jorge said...

Eu era amigo do Sissé. Que será feito dele? Era um tipo impecável. Uma vez um graduado hipnotizou-o e ele passou-se, coitado. Era fim de semana e acabou por levar uma grande chapada do oficial de dia por fazer disparates. Diga-se de passagem que foi merecida e fez-lhe bem para quebrar a hipnose, que já ia longa de mais. Rui Rebelo(422/74)

Anonymous said...

Essa cena do hipnotismo, foi muito marada, o Sissé passou-se completamente da cabeça, parecia estar possuído sei lá pelo quê.
Não me lembro é do nome do gajo que andava para lá a hipnotizar o pessoal a torto e a direito!
Kikas (26/72)