miguelbmiranda@sapo.pt

Thursday, November 15, 2012

O Comandante Guélas - Série Colégio Militar 23 - Um dia na vida do Menau


Comandante Guélas
Série Colégio Militar


- “Para alguém sou um lírio entre os abrolhos”, - ditou o Menau para o 4º E, com uma  intensidade emocional que o transformava numa pessoa diferente sem o sotaque do Porto, andando de um lado para o outro no estrado.
- Stor, - chamou o 591 (Peixinho), pondo o braço no ar, e continuou. – Entre os quê?
- Abrolhos!
- Agrolhos?
- Não é “agrolhos”, é “abrolhos”! – Gritou o Menau, carregando ainda mais no sotaque nortenho, ao mesmo tempo que dava um banho ao Teta (332) com uma chuva de perdigotos.
E continuou:
- “E tenho as formas ideais de Cristo”!
- E tem as formas ideais de Cristo? – Interrompeu o 305 (Vinasse).
- “E tenho”, TENHO, - respondeu exaltado, engasgando-se com o tabaco que estava a mascar, que guardara religiosamente na bochecha esquerda, sendo obrigado a abrir a gaveta da secretária à pressa, para onde enviou uma soberba cuspidela.
E continuou a ditar o poema “Alguém” do Cândido, mas já com as emoções à flor da pele, que o obrigaram a acelerar o ritmo:
- “Para alguém sou a vida e a luz dos olhos / E, se na terra existe, é porque existo”
- Xisto? – Perguntou o 384 (Leitão)
- “XISTO”??????? – Indignou-se o Menau, batendo com o livro de ponto na mesa. – “EXISTO”, “EXISTO”!!!!!
O ditado tinha-se transformado numa brincadeira, havia dúvidas a rodos, o Menau fora envolvido por súbitos clarões, fragmentos curtos de relâmpagos, a voz desaparecera, lágrimas escorriam-lhe pela cara, o docente estava reduzido a um  espetro psicótico, a roçar o niilismo, mergulhado na escuridão angustiante do 4º E, que se transformara numa turma a preto e branco, com muito grão. Prosseguiu! Deu seis de seguida sem interrupções, até que, quando a alma já tinha atingido a homeostasia:
- “Esse alguém abre as asas no meu leito”!
- “…do meu leite??? – Perguntou o 307 (Escalope), pondo-se de pé, com o braço tão esticado que parecia querer riscar o teto.
- “NO MEU LEITO”, “NO MEU LEITO”, - Gritou desesperado o professor de Português, em maiúsculas e a bolt, e continuou. – Vós sois uns insensíveis, vós não mereceis as mães que tendes.
Estava na red line, exausto, a voz fora engolida pela emoção, dizia frases imperceptíveis, parecia estar próximo do fim, apoiara-se na secretária, tinha as pernas presas, os olhos ardiam com o sal do suor. Permaneceu mudo durante uns minutos que pareciam uma eternidade, até que disse com uma voz calma:
- Eu cá não sou bingativo, mas quem mas faz paga-mas!
Deu inicio às tradicionais chamadas orais, mas desta vez não aceitou os voluntários, o 125 (Horrível),o  668 (Peida-Gorda) e o 485 (Pitosga) que tinham sido escalonados para fazer o TPE, uma forma que a turma arranjara para dar a volta à questão e não ter que estudar muito, e assim ganhar uns valores extra pelo ato de coragem. O Menau abriu então à sorte a caderneta, gesto que há muito não acontecia, e a fava saiu ao Peidão (191)! 

No comments: