miguelbmiranda@sapo.pt

Saturday, December 12, 2009

O Comandante Guélas - Série Educação 2 - Os "Bocas de Palhaço"





                        Comandante Guélas
                                         Série Educação
 
Na Taberna da Milú - II
A insistência fundamentalista da importância dos números no futuro, coloca muitos assuntos nas margens da escola, que praticamente não os vê, a não ser a certas horas mortas. E quando os encontramos temos agradáveis surpresas. Faltavam cinco minutos de um último tempo lectivo de uma tarde de Inverno. A Sara estava encostada à rede, num sítio onde a luz do projector tinha dificuldade em chegar. Chorava baixinho porque estava com medo.
- Medo? – Perguntou-lhe o Stor Miguel.
Medo do que o Trinca-Espinhas, uma raridade num mundo de gordos, lhe contara debaixo duma das tabelas de basquetebol.
- É por causa do “Gang dos Palhaços”, - respondeu com timidez.
O Stor teve um “Flash Back”. O dia que agora chegava ao fim fora pródigo em acontecimentos. O colega Jorge tinha sido confrontado, pela primeira vez, com uma “travadinha” do seu aluno monga, que incluíra babas, bufas, mijas e ruídos do além, que o obrigaram a dar colinho fofinho a um africano com cheiro a tudo o que as moscas mais gostavam, e de quem os colegas fugiam. Era a estranha política desta “inclusão” que não apresentava uma ideia, um desígnio, uma estratégia, uma ambição, uma esperança. Quando a colega da equipa especial chegou, com o “SOS” na mão, um tubo para enfiar directamente no buraco do olho caso o abanão ultrapasse o tempo de validade, o Peixe Espada Preto já tinha retomado os estudos e o stor Jorge tentava livrar-se de alguma da baba pegajosa e enxotava as moscas que agora também não o largavam.
- Anda um gajo a dar aulas para isto, - desabafou.
No dia anterior, também já lá para o fim, o stor Miguel, depois de uma observação rápida à turma de “currículos alternativos” do colega Rui descobrira que a todos aqueles alunos escolhidos a dedo faltavam carradas de neurónios, e havia uns que desconfiava terem só areia, mas para isso teria de lhes fazer um furo na cabaça. Ficava-se pelos comportamentos, como girar os olhos compulsivamente, lamber o chão com apetite, estar sentado sem qualquer movimento, ou seja, características que numa Cerci os recambiavam para a sala dos “quiabos”, com apoio extra de todos os técnicos disponíveis, e com passagem obrigatória pela sala de Snoezelen. Mas voltemos ao assunto dos palhaços. Como a Sara insistia no perigoso gang, o Trinca-Espinhas foi convocado e confirmou a história, um amigo, de uma amiga, da vizinha, prima de uma tia tinha sido vítima destes perigosos colegas do Batatoon, e ele pedira satisfações à familiar, que lhe confirmara a tragédia. E disto isto desatou a chorar, fazendo com que o stor abanasse os ombros:
- E os meus mongas é que são os malucos! – Desabafou desaparecendo na escuridão.
O dia tinha sido pesado, até o chefe com tendências centrípetas tinha tido uma convulsão no início da reunião, quando anteviu, estilo “2012”, uma catástrofe para a zona:
- O que vai ser desta escola quando eu sair?
Esta visão talmúdica do mundo contrastava com os pensamentos dos presentes que, caso tivessem sido tornados públicos, mostrariam uma “Mega Festa”, tão ao gosto do chefe, mas desta vez não com carácter de frete, mas sim como manifestação de um desejo colectivo já há muito prometido, mas ainda não concretizado. O dia findou com a resolução de um mistério que andava a tornar-se um caso obsessivo para a menina Rosa: tinha sido apanhado em flagrante um dos membros do Gang dos Mijões, que insistiam em mijar contra a parede dos chuveiros, em vez verterem águas na retrete. O stor Miguel sugerira substituir o cheiro por lixívia da pura e dura, para lhes apagar o rasto, mas fora informado de que a ASAE proibira tal produto no recinto escolar. Enfim, modernísses.

No comments: