miguelbmiranda@sapo.pt

Friday, December 25, 2009

O Comandante Guélas - Série Paço de Arcos 19 - Queques com cheiro a merda





Comandante Guélas

Série Paço de Arcos

A excursão tinha como destino, para variar, a Estalagem do Farol, mas desta vez com uma variante, Litopone. Tudo iria depender do comportamento do Max. Mais uma vez não teve o bom senso de deixar entrar aqueles meninos de “boas famílias” paço-arcoenses. Fez mal, muito mal. Transformar alcoólicos…perdão…acólitos, em diabinhos não era muito aconselhável. Com o acesso ao espaço de dança barrado, tiveram de ficar pelo bar, que estava cheio de queques que debitavam “você” a torto e a direito. O Pontas e o Peidão não queriam, mas a culpa foi toda do Max. Entraram na casa de banho individual, um abriu o saco com o pó de nome Litopone e o outro despejou o Ácido Muriático. Como de costume o conteúdo começou em efervescência, o saco foi colocado atrás da retrete e o duo saiu calmamente. Sabiam que o efeito só começaria a sentir-se cinco minutos depois. Sentaram-se junto ao Rodrigues, o dono daquilo tudo. Ainda tiveram tempo de ver o Espiga e o Miguel, meninos do Coro, a entrar no bar, super-queques e à procura de uma mesa. Mas tudo se precipitou como o habitual. Um cheiro a merda repentino abateu-se sobre o espaço e todos olhavam com preocupação uns para os outros. Ninguém ousou levantar-se pois tornava-se de imediato suspeito. E ter fama de bufar-se como um elefante não caia nada bem naqueles queques de Cascais. O cheiro crescia e o Miguel, um dos fundadores do Futebol P.A., olhava para todos os lados com um ar indignado. Até que não aguentou mais o cheiro a queque e a merda misturados:
- Peidaram-se, algum de vocês peidou-se à grande e à francesa, - e olhou de cima para baixo para os meninos e meninas de bem. - Seus porcos, vocês andam a comer feijões e favas o dia todo.
- Quem deu este peido com toda a certeza que deixou molho e está colado à cadeira, é por isso que não se levanta, - reforçou o Espiga.
A debandada foi geral, a sala ficou vazia num instante, o Litopone fazia jus à sua tradição. O Max já tinha sentido o cheiro e tentava disfarçar com “Haze” que foi substituído por “Xeltox” quando o outro acabou. A mistura tornou-se irrespirável, o Pontas teve de mostrar solidariedade ao Rodrigues:
- Selvagens, são uns selvagens, - revelando uma promissora carreira política.
- Isto é inadmissível, mas eu já sei quem eles são, - disse-lhe o astuto Rodrigues.
- Sabe?
- Eram aqueles que estavam ali em pé a caluniar os meus clientes. O cheiro só apareceu quando eles entraram.
- No hotel do meu pai eram tomadas medidas drásticas, - disse o Pontas.
- Hotel?
Então o Pontas contou-lhe ser filho do proprietário de quase todos os hotéis de cinco estrelas da capital, incluindo a típica "Pensão Moreira", e à conta desta fábula tornou-se convidado VIP do Rodrigues, com bar aberto em todos os recantos da Estalagem. A partir daqui passaria a ter direito a continência do Max, que lhe abriria a porta para ele não sujar as mãos e a mesa reservada junto à janela panorâmica, para assim poder abri-la e facultar acesso aos seu gang de caucasianos de boas famílias. Ainda houve tempo para ver um casal de gringos a chegar à estalagem cheio de malas e a fugir em pânico quando se aperceberam do cheiro estonteante a merda, no mesmo táxi.




No comments: