miguelbmiranda@sapo.pt

Monday, September 30, 2013

O Comandante Guélas - Série Colégio Militar 51 - O Triunfo dos Porcos






Comandante Guélas

Série Colégio Militar


“Para certas exclusões pode haver justificação, mas se não se trata de um curso que exija aptidão física, não estou a ver qual”
Reis Novais

("um dos mais conceituados constitucionalistas portugueses" - DN)


Neste 1º de dezembro de 2020 matavam-se vários coelhos de uma só cajadada, o Fábio, o primeiro presidente da República anão, aproveitava a cerimónia para vir inaugurar as novas camaratas para os alunos seus conterrâneos, erigidas no jardim do Palácio do Conde de Mesquitela, "enferma" para os antigos, onde durante muitos anos reinara o saudoso enfermeiro Valentim, uma espécie de professor Karamba, que curava tudo com aspirinas e sais de fruto,  obra esta desenhada à imagem do Portugal dos Pequeninos, que vinha ocupar o espaço que durante muitos anos fora exclusivo do lago, onde tantos atiraram tantos para o charco. Após o Tribunal Constitucional ter declarado que as regras de acesso ao Colégio Militar, no seguimento de uma notícia de um dos pasquins do regime, serem inconstitucionais por “exigirem testes físicos e psicotécnicos”, o número de candidatos aumentou exponencialmente, tendo obrigado a rápidas transformações arquitetónicas, que custaram milhões de euros aos cofres do estado, e a constantes acrescentos por força de providências cautelares que passaram a atirar o início do ano letivo para esta data, agora sem qualquer significado. O Edifício Berta, que a “Brigada Zacatraz” frequentemente grafitava com um “A”, destinado inicialmente ao sexo feminino, cuja construção não respeitara o projeto inicial, encurtando-o, para assim poderem ser desviados alguns milhões para uma offshore,  fora obrigado a sofrer várias alterações à medida que as exigências da sociedade civil faziam as primeiras páginas de todos os jornais diários. A primeira deu origem a várias camaratas para acomodar LGBTTTs (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros), cujo primeiro “T” foi de imediato sujeito a uma providência cautelar que obrigou as “alunas indefinidas” a pernoitarem numa área provisória do picadeiro, onde ainda continuavam ao fim destes anos de reformas compulsivas. Mas a epidemia de providências tornara-se crónica, esperava-se agora, a qualquer momento, o veredito sobre o pedido de um novo espaço destinado às alunas com burka. E neste dia primeiro de dezembro a capa de um pasquim dava conta de uma nova polémica, a descriminação que os alunos de estatura normal tinham sofrido desde a aceitação de anões nas fileiras do ex-Colégio Militar, agora Externato Teixeira Rebelo, e futura Cooperativa de Educação e Reabilitação da Luz, uma ideia do brilhante constitucionalista Dr. Maom-erda Al-Guidar, um filho ilegítimo de mãe marroquina e do pai Branco, que os tinham definitiva e anticonstitucionalmente afastado do acesso ao título de “batalhãozinho”.
- Fiz tudo para que o meu filho, o 45, Cuecas de Barbie, ganhasse o título, fechei-o dentro de um microondas quando nasceu, racionalizei a comida, e mesmo assim cresceu tornando-se agora vítima desta discriminação inconstitucional, - queixara-se um pai no jornal das oito.    
E ainda por cima a mensalidade era menor, porque ocupavam menos, consumiam pouco, um ovo das galinhas do sucessor do pai da Rosa  fazia cinco amarelos, um pano do tamanho dum lençol normal dava para fazer um enxoval e bastavam camas iguais à do Kent nas camaratas.
- É com grande orgulho que venho declarar abertas as aulas, - principiou o presidente ao colo do seu ajudante de campo. – Este colégio é o espelho do país, os portugueses e as portuguesas esperam de vocês a continuidade do nosso esforço, e ao esforço dos nossos antecessores, a Aberta e o Alguiar, a quem desde já atribuo dois números e duas alcunhas honorários, tal como fizeram há uns anos atrás ao Aníbal, o 695, cujo silêncio o tornou um  aliado de peso das nossas reformas, respetivamente 901 e 902, a Padeira e o Pena Branca. Graças aos constitucionalistas visionários Reis e Otero posso hoje saudar a Companhia dos Coxos, ver marchar o pelotão dos Destravados, abraçar o Comandante de Batalhão, o 879, o Pega à Manivela…..
Felizmente a corneta tocou, o 191 (Peidão) e o 601 (Gordini) tinham uma apresentação à alvorada!

1 comment:

Mário Sampaio Nunes - 110/54 said...

Não esquecer na enferma, o famoso Valério, mais conhecido por "Funga", perito em seringas e injeções.
110/54