miguelbmiranda@sapo.pt

Thursday, December 20, 2012

O Comandante Guélas - Série Colégio Militar 27 - Cine-Luz

Comandante Guélas

Série Colégio Militar



Recuperar as memórias sagradas e preciosas, que nos abrem as portas do Colégio Militar, relembra-nos que somos exilados do nosso passado, e por isso precisamos de o recapturar. O Cine-Luz era um micro-cosmo, um mundo onírico em que imperava um cheiro intenso a cavalos, coisa inimaginável nos estranhos dias que correm em que tudo traumatiza os meninos. As quartas e quintas-feiras à noite eram sempre destinadas às sessões de cinema, que decorriam a seguir ao jantar num espaço existente junto das cavalariças do Colégio Militar. Para a 1ª e 2ª Companhias estavam reservados filmes softs, mas para a 3ª e 4ª  já eram atrevidos, principalmente quando o decisor passou a ser o padre Viana: “A Quadrilha Selvagem”. Este filme teve um efeito brutal na libido de muitos, pois a cena dentro duma pipa atestada de vinho tinto fez entrar pelos olhos, a seco e sem preliminares, um par de mamas vivas, que os colocou a todos, por breves milésimos de segundos, na pele do herói, com a Marilyn Monroe da Luz, a fabulosa Rosa. Os espetadores não resistiram à tentação e encheram o recinto, que se pretendia cultural, de opiniões impróprias para um estabelecimento de ensino com tão grandes pergaminhos. E ainda por cima na plateia alguém que estava na última fila deu um chuto na cadeira da frente, não se sabe se com as cuecas ao rubro, fazendo com que todas as outras até ao palco caíssem como peças dum dominó, obrigando o oficial responsável, aspirante Felício, a mandar interromper a sessão, para pôr em ordem o saloon…perdão, o espaço cultural, dando ordens para que as luzes se acendessem, vendo nisto uma forma de impressionar a sua convidada especial. A Rosa ficou assim exposta à parte do batalhão colegial mais sensível, dir-se-ia que a moça que uns minutos antes nadava dentro de uma pipa de vinho tinto com os seios a sorrir, tinha-se materializado naquele espaço com cheiro a cavalo, a convidar todo o cineteatro para o pecado:
-          Porque é que aquele dentolas, que caiu aqui de pára-quedas, tem direito à Rosa, e nós não? - Resmungou alguém da plateia. - Temos de fazer-lhe uma visita de cortesia um dia destes.  
A “Quadrilha Selvagem” tinha dado assim início ao desencadear de acontecimentos, que iriam dar lugar, meses mais tarde, a um dos mais famosos enredos do Colégio Militar, local único de grande intensidade, cheio de sentimentos e sensações pessoais, que nos dias que correm teria direito a uma longa-metragem do Manoel de Oliveira, com estreia exclusiva no teatro D. Luís Filipe. A sessão dos mais novos também não se ficou atrás, trazendo à cena um herói da fita chamado Alfredo, um mentiroso compulsivo. A partir desta data todo aquele que exagerasse numa história ficaria conotado com esta personagem, e o azar calhou ao único docente responsável por todo o batalhão, o padre Miguel, mais conhecido por Carioca! Exagerou num relato e a turma respondeu com um arregaçar das calças, sinal de que estava a meter água, ao mesmo tempo que todos remavam com os braços. Resolveu o assunto com umas bordoadas valentes nos da primeira fila e a ameaça de expulsão da aula, que nestes tempos correspondia a uma privação de fim-de-semana, facto hoje que seria assunto de primeira página do “Correio da Manhã”, e interpelação parlamentar da deputada Boca Louca, para manter a tradição colegial das alcunhas. “O Homem que matou Liberty Valance” enterrou-se em profundidade nas memórias dum Menino da Luz, sucessor da única vítima de atropelamento na parada, pelo colega 384, com carta e carro, nomeadamente na cena em que os intervenientes comeram uns bifes maiores que o prato, quando comparados aos bifes da testa fornecidos pelo Pintado aos alunos. Daqui para a frente sempre que o 318 dava de caras com um bife, lembrava-se do “Liberty Valance” e do seu Colégio Militar. As sessões de cinema eram um dos momentos mais aguardados da semana, e não se reduziam ao filme propriamente dito, mas a todo um ritual, desde a marcha, com passagem obrigatória pelo espaço público, até ao inebriante cheiro a cavalo, e às tradicionais operações stop dos graduados aos mais novos que ousavam ir comprar Bolama ao bar durante o intervalo. E um dia no regresso um grupo de adolescentes civis, sentados num banco do jardim, resolveu “gozar com a tropa”, citando o tenente Aparício, e um comandante de pelotão, o Grilo, ordenou “alto”, “esquerda volver”, cercando assim os desconhecidos, e ameaçando-os com um “destroçar”. Valeu a intervenção do Felício, que afoguentou o inimigo, impressionando assim ainda mais a sua acompanhante, a Marilyn de Carnide, musa exclusiva dos Meninos da Luz.
  

No comments: