miguelbmiranda@sapo.pt

Monday, September 29, 2008

Introdução na Terra do Comandante Guélas




Na Terra do Comandante Guélas

Introdução



“Os velhos gostam de dar bons conselhos para esconder que já não estão em estado de dar maus exemplos”

La Rochefoucault



Onde é que estavam os adolescentes no 25 de Abril?
Tudo começou em 1975, quando os cartazes da “Maioria Silenciosa” foram queimados à pressa junto ao depósito de água no Alto da Loba. O João da Quinta ainda foi a tempo de acender um cigarro mata-ratos da marca “Definitivos”, cujo fumo lhe despertou o único neurónio, alertando-o para a grande oportunidade que tinha aqui para arranjar um emprego compatível com o seu estatuto de filho do caseiro do Leackoque. Depressa acreditou que era um sinal da sua defunta avó Sesaltina! Alguns dias depois, na Comissão de Moradores, realizada no Pavilhão Desportivo de Paço de Arcos, no Pimenta, alguém interpelou a mesa para que proibissem os moradores do Alto de Paço de Arcos de votarem nas propostas, por morarem em chalés. Do meio da multidão levantou-se o grande Ratinho Blanco e lançou a questão da sua vida, que marcaria para sempre os destinos da vila:
- Então eu, que vivo na Pedreira, também vou ser impedido de votar, pois a minha barraca também tem as características de um chalé?
Foi o segundo sinal!
O contra-ataque veio sob a forma de uma manifestação que se iria realizar no dia seguinte, com partida na estação de Paço de Arcos, e rumo ao Alto, onde vivia a burguesia.
A guerra tinha começado, preparava-se uma recepção apoteótica aos invasores. No dia seguinte, e segundo informações dos espiões do Alto, só apareceu um manifestante no local de encontro que, com vergonha e medo, apanhou o comboio para Oeiras e foi pregar para outra freguesia.
Nesse dia o glorioso Comandante Guélas declarou a independência e fundou a República Independente do Alto de Paço de Arcos, com anexação imediata da Terrugem, a pedido da sua padeira e ideóloga mais famosa, a Doutora Quitéria Barbuda. A bandeira foi hasteada e o Comandante ordenou a mobilização geral. Assim nasceu o Gang dos Meninos Ricos e Caucasianos de Paço de Arcos (G.M.R.C.P.A.), cuja missão era formar o indivíduo, a família, a sociedade e o Estado de Paço de Arcos, e posteriormente o “Guélanismo”, a unidade entre os territórios de Oeiras, partindo depois para a conquista do Mundo. Foi o relançar dos Descobrimentos, tendo agora como ponto de partida a Praia Velha. Cada indivíduo iria palmilhar a terra, individual ou colectivamente, tendo como missão transmitir os valores, através de palavras ou actos, da sua nova pátria. Foi declarada a verdade oficial, que dizia que era um facto científico que Deus criara o “Paçoarquiano” quando bufara o “sopro da vida”, tendo Quitéria Barbuda sido criada da costela do Comandante Guélas, enquanto que os seus inimigos descendiam dos macacos, mas a sua evolução fora negativa.

4 comments:

_E se eu fosse puta...Tu lias?_ said...

Sarava Vizinho ousado!

Então quer publicidade gratuita?!


A sua sorte é que o 25 de Abril é um hino à liberdade que defendo com garra;)

beijinhos e volte com mais tempo e não só para se publicitar:P


beijinhos

hot-virginity said...

Little-Heartbreakers
Little-Heartbreakers

BªCaroline said...

Eiii!!!
Como assim??
Pq acha q as pessoas leriam isso no meu blog??

Bom de qq forma aceitei, pq penso q se ajudar.Ok.

AP said...

Bons tempos esses an...em que os adolescentes se podiam divertir e fazer o que realmente lhes aptecia! Hoje em dia, não dá, pois se os professores se queixam que andam sempre atarefados e sem tempo para a sua vida pessoal, eles nem imaginam o que fazem sofrer os seus aluno que mais parecem servos...Também nós, temos de fazer relatórios, avaliações, trabalhos, apresentar textos, etc...Ou seja, não respeitam a máxima, "Não faças aos outros o que não gostas que te façam a ti", ou então...será porque as suas adolescencias foram diferentes de toda a geração que apanhou a balda do pós 25 de Abril, seram eles uns revoltados por nao terem aproveitado o suficiente?! Parece que sim, pois quando confrontados com os tempos da "boa vida", eles insistem que nunca houve passagens administrativas, alunos a avaliarem se uns aos outros e que tudo era certinho e corria dentro dos limites...

Como, já referido muitas vezes, por um amigo meu, "Será que contam eles as historias das suas adolescencias aos filhos antes de adormecer?"

Abraço