miguelbmiranda@sapo.pt

Wednesday, March 30, 2005

Camarada Choco 24 - Cargas e Descargas


                          Camarada Choco
                                           Aventura 24
A estória não pertence ao Camarada Choco, mas ficou na sua memória.
O dia tinha começado cor-de-rosa, a Escola estava em paz consigo mesma, os colegas distribuíam bons-dias às catadupas e até na área dos têxteis a funcionária estava mais “para cá” do que “para lá”, como era costume, tendo iniciado um tapete de “Lua de Mel”, em vez da diária pega para tachos de monhés. O Castanheira já estava com os óculos, comprados no Bazar Chinês, e preparava-se para arranjar os fusíveis à colega da sala 1. A Secretaria encontrava-se momentaneamente encerrada, pois a Dona Sãozinha fora tomar o seu merecido pequeno-almoço e a ajudante permanecia em estado de hibernação, com uma bolacha numa mão e os glóbulos oculares perdidos algures no telemóvel.
Por esta altura o Presidente Porres ainda estava a tentar convencer o filho a descer as escadas (direito exclusivo da Direcção), obrigando a carrinha a permanecer meia-hora em ponto-morto (ao contrário dos outros que nem saia da terceira); o Virgulino abria a mesma cova pela centésima vez; o Professor Rico com Bigode fazia o seu décimo sétimo telefonema para o banco, dando início à vigésima transferência do dia; o Pintor pintava a noite anterior; as Tias ainda não tinham começado a massacrar a cabeça da Coordenadora, pedindo-lhe explicações pela saída cinco minutos antes da hora, no mês anterior, dos Stores; a vizinha do Pintor ainda não apresentara a reclamação diária; a colega não avistara algum fantasma; o motorista dos recibos verdes abria a porta à ex-brasileira que tentara abusar do Castanheira, etc., etc..
De repente, tal qual um Tsunami, chegou no seu novo carrinho a Doutora, também conhecida no meio por Madrinha, e viu o parqueamento da Escola atestado, a abarrotar de veículos ligeiros e pesados.
- O QUÊ? E ESPAÇO PARA MIM? – Perguntou em Letra Maiúscula, deixando sair algo com os nervos. – COMO É QUE SE ATREVEM A ENCHER A MINHA PROPRIEDADE COM VEÍCULOS MOTORIZADOS, PESADOS E LIGEIROS? EU SOU A ALMA, A MOURA, DESTA ESCOLA, NÃO DESCANSO, NÃO BEBO, NÃO FUMO, SÓ FAÇO SKY, E OUSAM FAZER-ME ISTO?
A FATWA foi de imediato escrita e divulgada pelos presentes e ausentes:

“Declaro este dia como de CARGAS E DESCARGAS, implicando que daqui a 2 voltas ao quarteirão quero que o ESPAÇO ME SEJA DEVOLVIDO”.

Foram de imediato enviados, para os 4 cantos da Escola, estafetas com a “FATWA DA MADRINHA”.
A primeira vítima estava alegremente em cima de um Step, a segunda queixava-se da quinta e a terceira era um humilde Stror Pobre Sem Bigode.
Depressa se descobriu que a 1ª e a 2ª vítimas estavam em conformidade com o Código da estrada, não tendo isto, porém, evitado um ataque de caspa, seguido de 5 convulsões, à 2ª vítima, que já se babava de raiva, ameaçando pôr a Doutora a dormir dentro de um contentor.
Mas eis que alguém ousa dizer a verdade:
- O que ela quer é o vosso lugar!
Foi de mais! A Madrinha fez marcha para trás e cumpriu o prometido: duas voltas ao quarteirão. À terceira abandonou o veículo à entrada da Escola, acabando de vez com as Cargas e as descargas.














No comments: