miguelbmiranda@sapo.pt

Saturday, January 30, 2010

Comandante Guélas - Série ISEF 1 - O Regresso da Turma 2


Comandante Guélas
Série ISEF 
  O Regresso da Turma 2

O Instituto era Superior e situava-se numa das zonas vermelhas da capital, a Cruz Quebrada, atravessada pelo inebriante Jamor. No ano de 1981 apresentaram-se na Turma 2 vinte e seis indomáveis estudantes, vindos dos quatro cantos do país, tendo sido atribuído o número 1 a um careca traficante de fotocópias e o número 26 a um avatar que gostava mais de ir treinar abdominais com a Marreca de Monsanto, do que exercitar a cambalhota nos colchões do stor Palmada.

No dia 9 de Janeiro do Ano da Graça de Nosso Senhor de 2010 tornaram-se a encontrar num restaurante da Capital com decoração alentejana. Quando flanquearam a porta a alma do velho Xarope não aguentou dar de caras com uma vara de alentejanos em cima de um palco, todos coladinhos a grunhir em voz alta e a roçarem-se uns nos outros num movimento balanceado ora para a direita ora para a esquerda e gritou:
- Morte aos panilas, - ao mesmo tempo que era vítima de uma convulsão traiçoeira, que o obrigou a placar, tal como o tinha feito no século passado ao seu colega Bruxedo, o grupo de reformados da apanha da bolota.
Os gerontes nem tiveram tempo de guardar as dentaduras e acabaram por cair em cima do assessor Anselmo, que se tinha escondido atrás das cortinas para que não fosse confundido com aquela trupe de trapezistas capaz de lhe arruinar a sua carreira política, construída à sombra da Lurdes e do Valter, obrigando-o a voltar para a escola, de que fugia como o Diabo da Cruz. O homem das Caldas aproveitou o caos e tomou conta do palco, aproveitando o momento para mostrar aos clientes a sua já lendária queda para a dança, tão bem classificada na já longínqua cadeira temática. O proletário Pedreta já ressonava a sono solto e só acordou quando um jarro de tinto e cinco dentaduras se despedaçaram na zona do seu córtex occipital direito, lançando de imediato uma série de impropérios , em chinês, sinal de que a queda sofrida há vários anos das Torres Gémeas da Fonte da Telha não estava suficientemente cicatrizada. O Chaparro, devido ao seu porte atlético estilo “Damatta”, nem a perna esquerda conseguiu mexer e assim permaneceu entalado na cadeira ao lado do Lopes, agora tão careca como o número 1 da Turma 2. Em frente destes estava o eclético Bezerra, recordista absoluto de e-mails, que agora só conseguia exprimir-se numa linguagem Itálico-Australiana, à mistura com o velho “Carago”, responsável pela sua comissão de serviço forçada nos Açores. O Barroso nem queria acreditar onde se tinha metido, agora que era o presidente dos espadachins da Cova da Moura e por isso fingiu que estava incontinente, aproveitando-se da idade como desculpa, e escondeu-se na casa de banho das senhoras, mais propriamente junto da sua colega Carocha. Quanto ao Catedrático de serviço, o Gil, não do Parque das Nações, mas do Jamor, aproveitou a pausa do jantar para elaborar mais um teste, com que iria lixar os alunos no dia seguinte. O Renato e o Roxo já tinham acabado a observação daquele estranho jantar de confraternização do Batalhão de Pinos e Cambalhotas e esperavam agora pela confirmação da nota dada pelo Quim, que deu finalmente um “Excelente” ao dançarino das Caldas, que lhe permitiu acabar a Licenciatura e ainda ter tempo para telefonar para o seu gerente da conta nas Caldas, para acrescentar o título de “Doutor” nos cheques que iriam ser emitidos no dia seguinte. As meninas, agora umas belas velhotas, especulavam sobre o paradeiro da amiga Valverde, tendo a stora Matos informado o Conselho de Anciões, que de imediato registou em acta, que a colega fora vista numa traineira lá para os lados da Mauritânea pelo Chico, agora dono e senhor de um veleiro atracado na marina de Oeiras. As storas Nascimento, Loureiro e Amado fizeram tricô a noite toda, sinal de que já tinham entregue os papéis para a reforma. Foi notada a ausência do stor Bruxedo, vítima de uma estranha troca de e-mails entre o Chaparrão, dono e senhor de Beja, e o proletário laranja de nome Pedreta, de Palmela. Este pedira ao outro a morada electrónica do stor-monga, mas fizera-o já depois do suíno da torre da Igreja ter tocado as badaladas da meia-noite, altura em que o Chaparrão, apesar de estar num Conselho Pedagógico, já se encontrar encharcado em sumo de uva, acabando por trocar o endereço e dar-lhe o do Aníbal, que compareceu no jantar com a Maria e os batedores, pensando ir encontrar-se com o Zézito para ambos discutirem o Orçamento de Estado. Quando o Anselmo o viu foi a correr ao seu encontro, chamando-lhe “colega”, mas escorregou numa dentadura tresmalhada e teve de agarrar-se à primeira dama, acabando ambos por cair no chão, um por cima do outro, como nas aulas do professor Palmada, onde o stor das Caldas brilhava com o seu cinturão azul e com o barulho das suas cambalhotas, que impressionavam sempre a Glorinha da cantina. A festa acabou com o Chaparro a ser levado para casa pelos verdadeiros colegas, numa carrinha de caixa aberta, com o Xarope a correr atrás e a gritar:
- No meu Algarve não entram panilas!
O judoca mais graduado deste gang, que ostentava um soberbo cinturão negro comprado no chinês, acabou a noite rodeado por moldavas, contando-lhes a sua comissão na Cruz Quebrada, onde se destacava a graciosidade como jogador de Rugby, a leveza de dançarino, a invencibilidade no judo, a flutuabilidade na Natação, a potência no Andebol, a impulsão no Basquetebol e outras características mais íntimas que só contaria àquela que o acompanhasse no Mercedes até à serra da Malveira, altura em que a obrigaria a pagar a gasolina, tal como o tinha feito à professora que ousara chumbá-lo na cadeira de dança do 2º ano. Foi notada a ausência da gestora Oliveira, presa no trânsito em Tóquio.

No comments: